“Será que vamos continuar morando aqui?”: o impacto de Belo Monte para os povos indígenas

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que o Papa Francisco não tem medo de um cisma

    LER MAIS
  • Os 12% do presidente – em que lugar da sociedade habita o bolsonarista convicto?

    LER MAIS
  • O cardeal Burke inicia a cruzada contra o Sínodo sobre a Amazônia, com base em um documento herético

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Novembro 2017

Reportagem em vídeo da Agência Pública mostra a penúria de quem teve sua vida transformada pela Usina.

A reprodução da reportagem é publicada por El País, 14-11-2017.

 

“A nossa história Belo Monte foi lá e destruiu tudo”, diz Natanael Juruna, da aldeia Muratu, na Terra Indígena Paquiçamba, um dos locais atingidos pela usina. Na série de reportagens Amazônia Resiste, a Agência Pública mostra como ficou a vida de quem ainda tenta tirar seu sustento do rio após a construção da hidrelétrica. E a penúria de quem teve que abandonar sua aldeia para morar em palafitas de madeira nas periferias de Altamira. . “Será que vamos continuar morando aqui?”, questiona Juruna, que aposta na busca por alternativas de sobrevivência para os indígenas. “É uma pergunta que não sabemos responder”.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Será que vamos continuar morando aqui?”: o impacto de Belo Monte para os povos indígenas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV