'A elite não está precificando o risco de caos social', diz ex-banqueira

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Setembro 2017

As reformas trabalhista e da Previdência, bem como os ajustes nas contas do Rio, são urgentes. Mas alterações tão profundas deveriam aguardar a eleição de 2018 para que fossem tomadas por Legislativos mais "representativos".

A avaliação é da economista Eduarda La Rocque, 47, que ainda se considera neoliberal, embora divirja de colegas da mesma linha ideológica.

"Existe um 'trade-off'. A cada ano, o rombo se estende muito. Mas eu preferiria negociar reformas tão necessárias com um Congresso mais representativo. Senão corre o risco de não ser duradouro", disse ela, primeira doutora formada pela PUC-Rio -escola conhecida pelo viés liberal.

A entrevista é de Talo Nogueira, publicada por Folha de S. Paulo, 17-09-2017.

Ex-sócia do banco BBM, especialista em gestão de risco, a economista deixou o setor privado para assumir a Secretaria Municipal de Fazenda do Rio em 2009. Em 2013, passou a presidir o Instituto Pereira Passos, da prefeitura, onde conduziu o projeto da UPP Social.

Atualmente, conduz uma editora independente, além de planejar fundos para investimento socioambiental.

Rocque diz que ainda se considera neoliberal, mas se classifica como "ex-banqueira e ex-economista". Embora defenda o controle rígido dos gastos dos governos, demonstra preocupação com a falta de debate sobre como evitar prejuízo aos serviços públicos.

"A elite não está precificando corretamente o risco de caos social. [] A economia é uma ciência que se especializou em demasia e se distanciou muito da realidade", disse.

Eis a entrevista.

Qual sua avaliação sobre o socorro federal ao governo do Rio?

É positivo. Nós temos que diminuir o tamanho do Estado. Não dá para continuar do jeito que está. A galera mais de esquerda não tem noção de restrição orçamentária. É importante impor a restrição do teto de gastos. A questão é como vai redistribuir o bolo. Meus amigos economistas estão impondo um teto e uma necessidade de arrumação. Sou favorável porque as contas mostram. A gente precisa de uma nova Constituinte porque não demos conta de atender os direitos que lá estão expostos. Mas não com esse Congresso. Não podemos redistribuir o bolo com setores não representativos da sociedade.

Em termos práticos, o que seria essa redistribuição?

Não afetar tanto as áreas sociais, não garantir direitos dos militares eternamente, dos servidores públicos, dos governadores e suas previdências, não permitir a flexibilização do teto [salarial]. Numa época em que se precisa diminuir e redistribuir o bolo, a voz dos mais vulneráveis não se faz ouvir. Tínhamos que nos preparar para 2018, decidirmos quem vai pagar a conta, com um Legislativo mais representativo tanto no Rio como no governo federal.

O Tesouro sinalizou com privatizações, até da Uerj. Como vê isso?

A sociedade tem que fazer escolhas. Gosto do desenho financeiro da operação, mas não cabe ao Tesouro Nacional dizer onde tem que cortar. Cabe ao governo estadual gerar transparência, e à sociedade, fazer suas escolhas. A crise do Rio chegou a um estágio em que o governador Pezão não tem representatividade para negociar em nome da sociedade. Deveria ter uma espécie da câmara de arbitragem, mas não só com representante do Tesouro, que olha só as contas públicas. Economista gosta muito de fazer conta de valor presente, mas não pode cortar 30% de salário de uma pessoa de um mês para o outro.

A privatização da Cedae foi discutida o suficiente?

Ela deve ser mais debatida, mas sou favorável. Resumindo: a despesa com pessoal aumentou enormemente, isso é uma sobrecarga para o governo do Estado, e algo precisa ser feito. Não dá para manter todos os direitos. As escolhas têm que ser claras. Mas é possível com mais eficiência, com foco em justiça social, diminuir o tamanho do Estado, privatizar serviços respeitando as metas sociais e gerar melhor qualidade na ponta.

Se o corte for basicamente na ponta, como se sinaliza, qual será o preço disso?

A elite não está precificando corretamente o risco de caos social. Esta é a hora de ampliar projetos sociais, não de cortar. As pessoas acham que com condomínios e segurança privada conseguem ter uma cidade maravilhosa.

Setores de esquerda costumam criticar a Lei de Responsabilidade Fiscal por excesso de rigidez. Qual sua avaliação?

Ela é um excelente parâmetro. Estou à direita da esquerda e à esquerda da direita. Então, sou criticada pelos dois lados. É uma pena para nós que tenhamos entrado nesse nível de polarização. Me orgulho de ter tido o Fernando Henrique e o Lula como presidentes. Perdi todo o respeito pelo PSDB quando ele votou contra a reforma tributária que a [ex-presidente] Dilma [Rousseff] apresentou. Vira uma polarização em que a honestidade intelectual se perdeu no debate.

E qual sua avaliação sobre a atual reforma trabalhista?

Gosto muito da equipe do [ministro da Fazenda] Henrique Meirelles. Do ponto de vista das propostas iniciais, devem ser as melhores possíveis. Mas, quando negociadas por este Congresso, que não é representativo e só quer se defender, tudo se deteriora. Acho que seria melhor para o país, em vez de insistir nas reformas, colocar as pautas e discutir com um novo Congresso. Existe um "trade-off". A cada ano, principalmente com a reforma da Previdência, o rombo se estende muito. Mas eu preferiria negociar reformas tão necessárias com um Congresso mais representativo. Senão, corre o risco de não ser duradouro.

É uma avaliação de um ex-banqueira?

Sim, uma ex-banqueira e uma ex-economista. Acho que a economia é uma ciência que se especializou em demasia e se distanciou muito da realidade, dos problemas práticos reais do dia a dia.

Quando a sra. mudou?

Sempre tive sucesso, e muita gente associa isso a ter muito dinheiro. Quanto mais, melhor, o que também é uma falácia. A partir do momento em que você fica tão rico que precisa contratar um segurança particular, seu nível de bem-estar cai substancialmente.

Pensa em seguir a carreira política?

Eu me considero de esquerda, mas a direita me quer. O Partido Novo e meus amigos de PUC, volta e meia, pedem que eu me candidate. Eu gosto de trabalhar com política no Executivo, mas prefiro cargos técnicos e acompanhar quem eu acredite.

A sra. apoiou um candidato do PSOL [Marcelo Freixo, à Prefeitura do Rio de Janeiro].

Recebi [em razão do apoio] milhões de mensagens de amigos: "Pelo amor de Deus, você vai acabar com a credibilidade que ainda te resta". Tem três coisas que precisamos buscar: justiça social, eficiência na gestão dos recursos econômicos e naturais e governança, que é ética, transparência e mecanismos de participação efetiva. Desde que tenha um alinhamento ético mínimo, estou disposta a conversar. O problema é que, com o acirramento político, as pessoas perdem a honestidade intelectual.
Isso é um pouco Marina Silva...

Tenho um alinhamento com a Rede. A esquerda não gosta de pensar no meu nome porque eu de fato sou liberal. A direita me aceita porque sabe que tem que fazer alguma concessão em termos de distribuição de renda, e rápido.

*

RAIO-X

FORMAÇÃO
Doutora em economia pela PUC-Rio

CARREIRA PRIVADA
Sócia do banco BBM; presidente da comissão de riscos da Febraban; sócia-fundadora da Riskcontrol

CARREIRA PÚBLICA
Secretária municipal da Fazenda do Rio (2009-2012); presidente do Instituto Pereira Passos (2013-2015)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

'A elite não está precificando o risco de caos social', diz ex-banqueira - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV