Mudanças Climáticas: Declínio das regiões frias, chamadas zonas periglaciais, agora é inevitável, dizem pesquisadores

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • Finanças do Vaticano, o jesuíta espanhol Juan Antonio Guerrero é o novo prefeito

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Setembro 2017

As zonas periglacias, onde há uma camada de terra congelada conhecida como permafrost, constituem cerca de um quarto da superfície terrestre e são encontradas principalmente no extremo norte e sul e em altitudes elevadas.

O texto é de Alex Morrison da University of Exeter, traduzido e editado por Henrique Cortez e publicado por EcoDebate, 12-09-2017. 

Modelagem estatística prevê perda quase completa de processos periglaciais importantes no norte da Europa até 2100.

A localização do domínio do estudo e os sites de observação LSP na Europa mais ao norte. a , b A área de estudo em relação à extensão circum-ártica do permafrost 23 , 24 indicada como: contínua = 90-100% da área coberta por permafrost, descontínua = 50-90%, esporádica = 10-50% e isolada = 0-10%, respectivamente. c Os locais de observação ( n ?= 2.917) e o alívio da área de estudo. Retângulos pretos em b , c representam o domínio da previsão do modelo. As fotos mostram exemplos de características superficiais típicas dos processos criogênicos de superfície terrestre (as escalas são apenas diretivas): crioturbação ( d; solo gelado de padrão poligonal em pequena escala) ( e lóbulos de geliflucção), nivação (f, locais de acumulação de neve) e perfuração de permafrost ( g , palsas), respectivamente. Fotos por JA e ML

Cientistas das universidades de Exeter e Helsinki e do Instituto Meteorológico da Finlândia examinaram os processos naturais causados pela geada e a neve que ocorrem nessas zonas.

Suas descobertas sugerem que – mesmo com estimativas otimistas de futuras emissões de carbono – as áreas cobertas por zonas periglaciais reduzirão dramaticamente em 2050, e elas “quase desaparecerão” até 2100.

Isso teria um grande impacto sobre paisagens e biodiversidade, e poderia desencadear “feedbacks” climáticos – processos que podem amplificar ou diminuir os efeitos das mudanças climáticas.

“Os resultados sugerem que mudanças profundas podem ser esperadas nas atuais zonas periglaciais, independentemente das políticas de mitigação da mudança climática”, disse o Dr. Juha Aalto, da Universidade de Helsinque e do Instituto Meteorológico da Finlândia. “Infelizmente, parece que muitos dos processos orientados para a geada que estudamos já estão na margem do clima em que eles podem existir”.

Os cientistas estudaram quatro processos que ocorrem em zonas periglaciais, incluindo sítios de acumulação de neve e “agitação de geada”, que se refere à mistura de materiais causados pelo congelamento e descongelamento.

“Nossos resultados preveem um futuro ponto de inflexão na operação desses processos, e preveem mudanças fundamentais nas condições do solo e nos feedbacks atmosféricos relacionados”, acrescentou o Dr. Aalto.

O Dr. Stephan Harrison, do Campus Penryn da Universidade de Exeter, na Cornwall, disse: “O projeto usou modelos de clima e terra terrestre de alta resolução para demonstrar que os processos geológicos e os ecossistemas em altas latitudes (o extremo norte e o sul) serão fundamentalmente alterados pelas mudanças climáticas durante este século “.

Mesmo com base na estimativa otimista de RCP2.6 para futuras emissões de carbono, os pesquisadores preveem uma redução de 72% na atual área periglacial na região do norte da Europa que estudaram.

Até 2100, as zonas periglaciais só existirão em regiões de alta montanha, dizem eles.

A professora Miska Luoto, da Universidade de Helsinque, disse: “Nossos resultados indicam mudanças significativas na vida vegetal do norte da Europa. Muitas espécies raras só podem ser sustentadas em áreas de intensa atividade de geada ou nevascas tardias, de modo que o desaparecimento de tais ambientes únicos reduzirá a biodiversidade”.

O artigo, publicado na revista Nature Communications, é intitulado: “Statistical modelling predicts almost complete loss of major periglacial processes in Northern Europe by 2100".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças Climáticas: Declínio das regiões frias, chamadas zonas periglaciais, agora é inevitável, dizem pesquisadores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV