Força Alternativa Revolucionária do Comum, novo nome das FARC

Revista ihu on-line

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Mais Lidos

  • "No Brasil, há corpo mole em relação ao Papa Francisco, mas não discordância pública". Entrevista com Jose Oscar Beozzo

    LER MAIS
  • Papa inicia viagem ao Chile com visita surpresa ao 'bispo dos pobres'

    LER MAIS
  • ''Francisco purificou a cultura pastoral de acordo com o ensinamento de Jesus.'' Entrevista com Michael Zulehner

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Setembro 2017

As FARC continuarão se chamando FARC. Mas sem armas. As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, uma das guerrilhas mais antigas do mundo, decidiram na quinta-feira entrar na política como Força Alternativa Revolucionária do Comum. A organização votou no congresso fundacional que se realiza em Bogotá a manutenção de sua sigla e se apresentar aos eleitores colombianos com o símbolo de uma rosa vermelha. Esse foi o anúncio feito no Twitter por Rodrigo Londoño, codinome Timochenko, o principal dirigente do grupo que esteve mais de meio século em guerra com o Estado. A votação não foi unânime: 628 delegados optaram por não perder a marca, enquanto 624 gostariam de uma mudança ao nome Nova Colômbia.

A reportagem é de Francesco Manetto, publicada por El País, 31-08-2017.

Foi Iván Márquez, número dois e rosto visível do grupo, que em 15 de agosto – no mesmo dia em que se completou a entrega de armas à missão das Nações Unidas – adiantou que o novo partido sairia do congresso como Força Alternativa Revolucionária da Colômbia. Em sua opinião, a maioria das bases não gostaria de enterrar o nome com que em 1964 nasceu o movimento insurgente. Apesar do C da sigla significar o conceito de comum, isso é, de comunhão e comunidade, o fundamental é que mantém a ideia de revolução.

Na inauguração do congresso, tanto Timochenko como Iván Márquez insistiram na manutenção do caminho revolucionário da nova força política, que após deixar a violência se propõe agora a conquistar seus projetos nas urnas. Esse último enfatizou também a importância do grupo de se transformar em uma alternativa no mapa de partidos da Colômbia. “Sobre esse propósito e sobre nossa trajetória histórica o que nós queremos é conceber o caráter de nosso partido; como um partido revolucionário”, afirmou Márquez.

O símbolo escolhido é uma rosa vermelha que lembra a rosa do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE). Na sexta-feira a organização finalizará seu congresso com uma apresentação pública da nova direção e das listas de candidatos às eleições legislativas que se realizarão em março de 2018. No próximo ano o país elegerá também um novo presidente, mas as FARC descartaram, pelo menos por enquanto, a participação nessas eleições. De qualquer forma, o acordo de paz feito com o Governo de Juan Manuel Santos garante a esse novo partido uma presença garantida de cinco representantes na Câmara e cinco no Senado. A antiga insurgência terminará oficialmente seu primeiro congresso com um comício e um show na Praça Bolívar de Bogotá, um lugar simbólico próximo aos estamentos do poder político onde em 2002 as FARC realizaram um atentado contra a posse do ex-presidente Álvaro Uribe.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Força Alternativa Revolucionária do Comum, novo nome das FARC - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV