O custo Temer

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco tem o seu próprio ''Sínodo do Cadáver''

    LER MAIS
  • “A Igreja, e principalmente a Igreja na Amazônia, não será mais a mesma após este Sínodo”. Entrevista com o Pastor Inácio Lemke

    LER MAIS
  • Chile. O orgulho de resistir tomou as ruas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Julho 2017

“Para os agentes econômicos que pressionaram pelo impeachment, com o mercado financeiro à frente – e que tudo precifica –, o “custo Temer” já está alto demais. O otimismo de um ano atrás, que bastava um governo “de confiança” para o déficit ser contido, desmorona dia a dia”, escreve Pedro Dutra Fonseca,  professor titular do Departamento de Economia e Relações Internacionais da UFRGS, em artigo publicado por Zero Hora, 27-07-2017.

Eis o artigo.

O recente aumento de impostos expõe a ferida do governo Temer e ajuda a explicar a divisão de sua base em apoiá-lo ou se livrar dele de vez. Para os agentes econômicos que pressionaram pelo impeachment, com o mercado financeiro à frente – e que tudo precifica –, o “custo Temer” já está alto demais. O otimismo de um ano atrás, que bastava um governo “de confiança” para o déficit ser contido, desmorona dia a dia.

Tais agentes, obviamente, erraram. Na euforia, lembrar tal hipótese era gesto mal visto e interpretado como torcer contra. Todavia, desde o início restava claro que o governo carecia de legitimidade e que esta, no mundo inteiro e no Brasil em particular, sempre é compensada com o que Max Weber chamou de prebendas, ou seja, com mais gasto público.

No caso de Temer, mais complicado ainda é que sua base de sustentação não seria popular, mas congressual. Dizer que não está preocupado com a impopularidade é mero jogo retórico: ela tem custo, e aí quem precifica não é o mercado financeiro, mas o da política. Neste, a regra do jogo é que a “base aliada” cobra, e será mais cara quanto maior for a impopularidade.

Mas não nos iludamos: o rombo não vem apenas do estimado R$ 2 bilhões da liberação de emendas parlamentares ou de outras prebendas, o chamado de “keynesianismo fisiológico”, embora estas sejam por si só repugnantes e imorais quando há cortes em setores essenciais (desde hospitais, universidades e forças armadas até passaportes).

Deve-se também a erro de diagnóstico da equipe econômica, ao entender que a arrecadação viria com o crescimento, e que bastava credibilidade e um governo de confiança aos credores para isso ocorrer.

A euforia no lado financeiro não chega aos investimentos produtivos de forma automática; reticente, o empresário paga para ver, ainda mais na grave depressão como a atual. Se a receita fosse tão simples, a história das crises seria outra. Meirelles confiou demais em seu taco – ou, talvez a melhor frase, confiaram demais no taco dele. Mas ainda continua blindado.

Críticas tendem a ser desqualificadas e os erros são postos somente na conta de Temer. Falar sobre suas ligações com a JBS ou sobre sua condução equivocada da política econômica parece não ter eco. E a ironia é que boa parte do cacife provém de presidir o Banco Central no governo Lula.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O custo Temer - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV