Doria enfrenta protesto de moradores de rua durante ação da prefeitura

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • “Infelizmente, a história da escravidão é contada por pessoas brancas”. Entrevista com Laurentino Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Julho 2017

Prefeito tentou distribuir cobertores na região do metrô Marechal Deodoro, mas foi recebido com gritos de "assassino".

A reportagem é publicada por CartaCapital, 20-07-2017.

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), foi hostilizado na noite de quarta-feira 19 por moradores de rua durante uma ação de entrega de cobertores nos arredores da estação Marechal Deodoro do metrô, no centro da cidade. Após gritos de "assassino", Doria foi obrigado a deixar o local às pressas.

Na terça-feira 18, dois homens em situação de rua foram encontrados mortos em Pinheiros, na zona oeste. Sem sinais de violência nos corpos, as investigações apontam que eles podem ter sido vítimas do frio. Com mínima de 10,2 graus, a tarde de terça-feira foi a mais fria do ano em São Paulo e a segunda mais fria em 13 anos.

De acordo com o padre Júlio Lancellotti, coordenador da Pastoral do Povo de Rua, três mortes foram registradas nas duas últimas semanas devido às baixas temperaturas. Lancellotti e pessoas em situação de rua têm afirmado que equipes de zeladoria e da Guarda Civil Metropolitana (GCM) estão recolhendo cobertores, colchões e outros objetos pessoais de quem vive na rua, embora exista uma portaria que proíbe o procedimento.

Reportagem veiculada na quarta-feira pela rádio CBN informou que moradores de rua que dormiam na Praça da Sé, no centro de São Paulo, foram surpreendidos pela manhã por uma limpeza com jatos de água no local. Conforme relato da repórter Camila Olivo, os jatos não atingiram as pessoas diretamente, mas acabaram molhando seus pertences.

“Sempre acabam levando os pertences das pessoas. Levam cobertores, levam colchões, levam tudo”, contou Agemiro Primo Passos, 39 anos, que atualmente está em situação de rua em São Paulo, para a reportagem de CartaCapital veiculada na quarta-feira 19.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo informou que a limpeza na Sé foi realizada por uma empresa terceirizada e que "determinou que as empresas prestadoras de serviço apurem se houve intercorrência". De acordo com a prefeitura, o procedimento correto consiste em abordar as pessoas para que elas sejam informadas sobre a limpeza e possam, portanto, retirar seus pertences. "A coordenação das Prefeituras Regionais solicitou que todos os prefeitos reforcem o procedimento junto às contratadas", diz a nota.

Reportagem da Ponte Jornalismo flagrou o protesto contra Doria, assista ao vídeo:

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Doria enfrenta protesto de moradores de rua durante ação da prefeitura - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV