Obras investigam Hitler e o nazismo

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano abre as portas para a ordenação de homens casados em regiões isoladas

    LER MAIS
  • A última entrevista de Francisco com os jesuítas é reveladora – também de suas contradições

    LER MAIS
  • Renda do trabalhador mais pobre segue em queda e ricos já ganham mais que antes da crise

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Julho 2017

Novos temas sobre a Segunda Guerra são raros, mas é quase impossível achar fontes primárias não usadas. Foi o que conseguiram os alemães Harald Welzer, psicólogo social, e Sönke Neitzel, historiador.

Eles tiveram acesso a transcrições de gravações de prisioneiros alemães nos arquivos nacionais britânicos e americanos. Eles não sabiam que estavam sendo grampeados, por isso as gravações têm autenticidade e honestidade.

O comentário é de Ricardo Bonalume Neto, publicado por Folha de S.Paulo, 19-07-2017.

O resultado foi o excelente "Soldados - Sobre Lutar, Matar e Morrer" (Companhia das Letras). Eles mostram como a ideologia não afetava diretamente o comportamento cotidiano da maior parte dos soldados.

"Temos uma pequena porcentagem de antinazistas convictos na amostra, assim como uma porcentagem pequena de nazistas linha dura. Mas quando se trata de atos concretos de combate, não são diferentes nas percepções e ações", disse Welzer à Folha.

Há vários exemplos. Um dos livros dessa safra, por exemplo, remete a um episódio da excelente série de TV "NCIS". O pai do personagem principal foi piloto de caça na Segunda Guerra, que acabou sendo "escoltado" até a segurança por um piloto de caça alemão, criando vínculo de amizade.

A história ficcional tem sólida base real, como mostra o livro "O Amigo Alemão" (Geração Editorial), de Adam Makos e Larry Alexander.

Em dezembro de 1943, um bombardeiro americano foi seriamente danificado e lutava para voltar para sua base por meio do espaço aéreo da Alemanha. Era pilotado por um garoto de 21 anos.

Um caça alemão chega perto. Em geral, faria disparos, despachando de vez o bombardeiro danificado. Mas o ás alemão o guiou em segurança.

O livro narra a história dos aviadores, o fatídico encontro nos céus, e, ainda mais fascinante, o reencontro emocionante mais de 40 anos depois.

Além do bem e do mal

O cientista alemão Werner Heisenberg pode ser classificado como sendo do "bem", apesar de ter trabalhado para fazer uma bomba atômica para seu país. Mas, como tem sido demonstrado em anos recentes, ele atuou para atrasar o projeto (a mais recente visão disso está na série de TV "Genius", sobre Albert Einstein).

O risco existia, e por isso os aliados decidiram atacar o calcanhar de Aquiles do projeto, a produção de água pesada em uma usina na Noruega.

A história foi contada por Neil Bascomb em "A Fortaleza de Inverno" (Objetiva). A grande trama real não fica atrás de filme de James Bond.

A campanha teve várias faces. Houve contaminação com óleo de fígado de bacalhau, a ação de sabotares conhecida como Operação Gunnerside, ataques aéreos e o afundamento de uma balsa levando a água.

Sem o suprimento, os alemães não produziram um reator nuclear e pesquisas para a obtenção de uma bomba ficaram bem atrás do esforço dos EUA, o projeto Manhattan.

Joachim Ronneberg, o líder da Gunnerside e último sobrevivente entre o grupo de sabotadores, completou 96 anos em 2016 e fala com eloquência sobre a missão. "Você tem de lutar por sua liberdade. E pela paz. Você tem de lutar por elas todos os dias, para mantê-las. É como um barco de vidro; é fácil de quebrar. É fácil de perder".

Livros

NAZISMO E GUERRA (ótimo)

AUTOR Richard Bessel

EDITORA Objetiva

QUANTO R$ 47,90 (256 págs.)

AVALIAÇÃO Ótimo

RAVENSBRÜCK (ótimo)

AUTORA Sarah Helm

EDITORA Record

QUANTO R$ 83,50 (924 págs.)

AVALIAÇÃO Ótimo

HIGH HITLER (bom)

AUTOR Norman Ohler

EDITORA Planeta

QUANTO R$ 33,90 (384 págs.)

AVALIAÇÃO Bom

SOLDADOS - SOBRE LUTAR, MATAR E MORRER (ótimo)

AUTOR Harald Welzer e Sönke Neitzel

EDITORA Companhia das Letras

QUANTO R$ 44,90 (528 págs.)

AVALIAÇÃO Ótimo

O AMIGO ALEMÃO (muito bom)

AUTOR Adam Makos e Larry Alexander

EDITORA Geração Editoral

QUANTO R$ 43,40 (408 págs.)

AVALIAÇÃO Muito bom

A FORTALEZA DE INVERNO (muito bom)

AUTOR Neil Bascomb

EDITORA Objetiva

QUANTO R$ 38,20 (464 págs.)

AVALIAÇÃO Muito bom

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Obras investigam Hitler e o nazismo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV