"A ideia de promessa foi substituída pelo medo. Há muita amargura e ressentimento na classe média”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O fundador do Movimento Apostólico de Schoenstatt e a investigação do ex-Santo Ofício

    LER MAIS
  • Posicionamento do Movimento Schoenstatt frente às acusações de abuso do seu fundador

    LER MAIS
  • Por que o capitalismo pode sonhar e a esquerda não?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Julho 2017

Não devemos subestimar os medos, e sim aceitá-los e dar nome a cada um deles. Porque todos temos medos, e cada vez maiores, segundo Heinz Bude (Wuppertal, 1954). O reconhecido sociólogo alemão aborda no livro A Sociedade do Medo (em tradução livre) os temores quase infinitos que penetraram sigilosamente na classe média europeia. Fala do medo da rejeição social, de ficar sozinho e de cair uma vez alcançado o objetivo. Dos medos que não nascem de circunstâncias objetivas, e sim do contato com os outros, numa sociedade que, segundo este professor de Macrossociologia da Universidade Kassel, exige cada vez mais do indivíduo.

Numa varanda na beira de um lago nos arredores de Berlim, Bude cita Franklin D. Roosevelt (“o homem que compreendeu que abordar o medo é a chave da felicidade pública”): “Não devemos ter medo do medo", diz ele em entrevista à Ana Carbajosa do El País, 06-07-2017.

Eis a entrevista.

O senhor diz que os europeus se tornaram muito ansiosos. Por que agora, numa época de relativa prosperidade?

Na Alemanha e no restante da Europa, muita gente viveu um período de promessas: se você trabalhasse, teria um bom futuro; com esforço e um pouco de sorte, poderia chegar lá. Para os que nascemos em meados dos anos cinquenta, essa promessa funcionou. Não é a vida que tínhamos sonhado, mas não é ruim. O problema é que, para muita gente, já não há uma promessa na qual acreditar. Cada pessoa está sozinha e é responsável por si mesma. A ideia de promessa foi substituída pelo medo.

Medo de quê?

De não ser o primeiro, de ser relegado. O problema é que as exigências e os medos cada vez se estendem mais. Já não é só o medo de fracassar no trabalho. É também o de escolher o parceiro errado, falhar como pai... O indivíduo é cada vez mais exigido. Agora é preciso ter inteligência emocional, e até para morrer é preciso fazer a coisa certa. A pessoa tem que saber aceitar a morte em vez de temê-la. O medo te acompanha até o final. Os recursos que seus pais te deixaram, inclusive a herança intelectual, podem te ajudar, mas não garantem que você vai conseguir, que não cairá em desgraça. Isso gera muita ansiedade. Não basta ter uma boa educação ou boa renda para ter status social, pois em qualquer momento você pode cair. Na sociologia, a questão do status adquiriu muita importância.

E nem sempre foi assim?

Pode ser que tenha sido assim ao longo da História, mas a diferença é que agora somos mais conscientes. Além disso, observamos que isso afeta pessoas cada vez mais jovens. A filosofia do medo é estudada desde meados do século XIX, mas agora é uma característica presente na maioria das pessoas. Você tem que viver por si mesmo e escolher: em função de quê? Não há nada. Existe um sentimento de vazio muito amplo; é o nada.

O senhor fala do ressentimento social no livro, dizendo que ele já deveria ter sido superado nas sociedades modernas e supostamente meritocráticas.

Há muita amargura e ressentimento em nossa classe média. Gente que pensa que merece mais e que sua experiência não importa a ninguém. Por isso, quando vem alguém e te diz “você está amargurado, eu sei por que e te conto a verdade”, funciona. Isso explica o triunfo de Trump, porque o populismo tem uma explicação emocional. As pessoas se perguntam: “O que fiz de errado? Me esforcei, fiz o que esperavam de mim e, no entanto, me sinto deslocado.”

O senhor falava antes das pessoas jovens, que são cada vez mais conscientes da angústia social. Mas elas não tiveram tempo de se amargurar nem de se decepcionar.

Têm medo de fracassar. É a subjetividade moderna. A ideia de si próprio com relação aos demais. Os outros como o nosso inferno. Estamos rodeados de gente que observa como vivemos nossa vida segundo parâmetros de meritocracia ampliada a muitos aspectos da vida, com exigências muito maiores e mais difusas. Chamo isso de lost in perfection (presos na perfeição).

Existe o medo de ser rejeitado e de não chegar. Mas o que acontece quando conseguimos? Quando alcançamos nossa aspiração social?

Nessa hora, sabemos que há muita gente atrás de nós esperando nosso erro. Mesmo que você conseguir o seu objetivo, o medo não te abandona.

O senhor diz que uma alternativa é optar pelo conformismo.

Há duas vias. Você pode se refugiar na espiritualidade ou no conformismo, mas, na verdade, a ideia de ironia, de que pode brincar de se conformar, já não funciona. Além disso, esses não são os caminhos corretos porque há uma certa verdade no medo – e por isso não devemos esquivá-lo. Não se trata de agitar o medo, mas de civilizá-lo, de encontrar fórmulas e rituais, maneiras de comunicá-lo e normalizá-lo. Se você sente que não está sozinho com suas angústias, cria-se uma certa solidariedade.

Provavelmente precisemos de novos vocábulos para o medo, mais ajustados ao nosso tempo. E também deveríamos começar a rir outra vez, retomar a fórmula tradicional de lidar com isso.

Qual o papel do gênero em tudo isso? Há muita literatura sobre o quanto se exige das mulheres e a falta de autoestima que elas desenvolvem porque sentem que não chegam.

É que os sistemas que um dia já foram chamados de famílias mudaram e foram substituídos por uma negociação permanente. As mulheres não estão dispostas a adotar papéis tradicionais. Isso faz com que seja preciso deliberar e alcançar compromissos, o que não é fácil. E os homens não são muito competentes na hora de chegar a um consenso.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A ideia de promessa foi substituída pelo medo. Há muita amargura e ressentimento na classe média” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV