União Europeia apresenta plano para aliviar pressão migratória na Itália

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco conclui o texto sobre o Sínodo amazônico; publicação deve sair em poucas semanas

    LER MAIS
  • Celibato dos padres, Papa Francisco: com Ratzinger o caso está encerrado. Eugenio Scalfari relata seu encontro com o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Padres casados ​​e diáconas. Os bispos alemães aceleram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Julho 2017

A Comissão Europeia apresentou nessa terça-feira (4) um plano de ação para a Itália aliviar a crescente pressão migratória da rota central do Mediterrâneo. O plano inclui uma ajuda de 46 milhões de euros (US$ 52,2 milhões) para a Líbia reforçar o controle das fronteiras.

A reportagem foi publicada por Agência Brasil, 05-07-2017.

De acordo com o projeto, a comissão mobilizará fundos para a Itália, trabalhará no reforço da capacidade da Guarda Costeira da Líbia, além de acelerar os retornos da Líbia e da Nígéria, enquanto outros Estados-membros da UE devem apressar a realocação da Itália.

Pelo plano, a Itália é obrigada a aumentar a capacidade de acolhimento e detenção, bem como o retorno dos migrantes ilegais.

"A situação terrível no Mediterrâneo não é uma realidade nova e nem deve passar. Temos feito enorme progresso ao longo dos últimos dois anos para uma verdadeira política de migração da UE, mas a urgência da situação agora nos obriga a acelerar seriamente o trabalho coletivo e não deixar a Itália por conta própria", disse o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, em comunicado.

"O foco de nossos esforços tem que ser solidário. Ao mesmo tempo, precisamos agir, em apoio à Líbia, para combater contrabandistas e melhorar o controle das fronteiras a fim de reduzir o número de pessoas que fazem viagens perigosas para a Europa," acrescentou.

De acordo com a comissão, desde janeiro foram registradas 85.183 chegadas à Itália, por meio da rota do Mediterrâneo central, e mais de 2 mil migrantes morreram na jornada.

Os cinco principais países de origem são a Nigéria, Bangladesh, a Guiné, Costa do Marfim e Gâmbia.

No contexto da crise de refugiados, a situação na África foi acompanhada pela União Europeia, depois de um acordo entre o bloco e a Turquia ter levado a uma queda brusca no número de requerentes de asilo na Europa pelos que fazem a rota do Mediterrâneo oriental, que liga a Turquia à Grécia.

Mais de 181 mil migrantes e refugiados, a maioria dos quais usa a Líbia como ponte, chegaram à UE em 2016 pelo Mediterrâneo.

Considerada a mais perigosa para os migrantes no ano passado, a rota central registrou 4.576 mortes, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

União Europeia apresenta plano para aliviar pressão migratória na Itália - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV