Buenos Aires evita uso de 250 milhões de sacolas plásticas proibindo as embalagens em supermercados e hipermercados

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • A radical visão teológica do Papa Francisco

    LER MAIS
  • O surgimento dos ''cismáticos devotos'' na Igreja Católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Julho 2017

Na segunda-feira (3), quando se celebrou o Dia Internacional Livre de Sacolas de Plástico, a cidade de Buenos Aires comemorou a não utilização de aproximadamente 250 milhões de sacolas plásticas. A economia se deu após a entrada em vigor, desde 1º de janeiro deste ano, de uma resolução que proibiu a entrega das embalagens plásticas em supermercados e hipermercados, disse o Ministério de Ambiente e Espaço Público argentino. A informada é da agência Télam.

A reportagem foi publicada por Telám e reproduzida pela Agência Brasil, 04-07-2017.

“Os consumidores se adaptaram de forma muito positiva a esta mudança cultural, que busca fomentar o uso de sacolas reutilizáveis para assim promover uma cidade mais verde”, disse o ministro de Ambiente e Espaço Público, Eduardo Macchiavelli.

Prejuízo ambiental

A Resolução 341/16, proibindo os sacos plásticos, foi adotada assim que se descobriu que cerca de um terço dos resíduos coletados na limpeza de riachos canalizados e túneis de águas pluviais da cidade era composto por sacolas plásticas, o que provocava a formação de “diques” que impediam o livre fluxo da água e provocava alagamentos.

“As sacolas plásticas costumam chegar aos lugares abertos, uma vez que, por seu baixo peso, voam e se depositam nas plantas, na lama e nas margens de rios e na água. Além disso, por sua resistência à degradação, levam muitos anos para desintegrar-se”, informou o Ministério de Ambiente em um comunicado.

Para facilitar aos consumidores o transporte dos produtos no momento de realizar as compras, desde setembro de 2016 foram entregues, de forma gratuita, mais de 722 mil sacolas reutilizáveis, distribuídas em distintos pontos na cidade de Buenos Aires, como locais de grande trânsito, centros de consumo, eventos e também em Pontos Verdes previamente selecionados.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Buenos Aires evita uso de 250 milhões de sacolas plásticas proibindo as embalagens em supermercados e hipermercados - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV