Caravana agroecológica denuncia projetos de destruição do Rio São Francisco

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Junho 2017

Mais de 50 organizações sociais, públicas e da sociedade civil, incluindo ONGs, movimentos sociais, Universidades, Centros de pesquisas, dentre outras, que participam da Caravana Agroecológica do Semiárido Baiano, estão fazendo um importante levantamento sobre as ações e projetos que provocam a destruição da biodiversidade que ainda existe na bacia do Rio São Francisco.

A reportagem é publicada por Comunicação Irpaa e reproduzida por CPT, 28-06-2017.

Essa caravana, denominada “Nos caminhos das águas do São Francisco”, começou na tarde desta segunda-feira (26), em Juazeiro, e se estende até o dia 30 de junho, com um momento de culminância no auditório da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), também em Juazeiro.

Realizada com um importante aporte e logística da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), da Promotoria Pública do Meio Ambiente da Bahia e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO), a Caravana ocorre em duas rotas, uma pela região do rio Salitre e outra, pelo entorno do Lago de Sobradinho.

Nos primeiro momento de estudos e constatações, os agentes ambientais e representantes de ONGs e movimentos sociais traçaram um panorama do quanto os empreendimentos econômicos como: mineradoras, parques de energia eólica e barragens e o descaso do poder público, contribuem para a destruição do São Francisco e seus afluentes.

Ruben Siqueira, membro da coordenação nacional da Comissão Pastoral da Terra (CPT), e Celito Kerstering, professor da Univasf, contaram o quanto as populações de pescadores, fundos de pastos, quilombolas e indígenas, por exemplo, vem sendo massacradas com esses projetos que destroem a Caatinga, os solos, as águas e outros bens naturais ao longo do São Francisco. Eles destacaram, de modo muito especial, os males trazidos pela construção da Barragem de Sobradinho, que expulsou mais de 70 mil pessoas de suas terras nos anos 1970.

É importante registrar que a Caravana, em suas duas rotas, além de denunciar a morte do rio e do povo, destaca as resistências das comunidades a esses projetos, além de suas experiências de produção sustentável com base nos princípios da Agroecologia e da Convivência com Semiárido, que muito ajudam na manutenção dessas comunidades que insistem em não morrer junto com o Rio São Francisco.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Caravana agroecológica denuncia projetos de destruição do Rio São Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV