Ubercapitalismo e uberiado

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • A quem interessa a onda de intolerância religiosa que sacode o Brasil?

    LER MAIS
  • Amplia-se a distância entre Francisco e a Igreja dos EUA: papa envia Parolin em missão

    LER MAIS
  • Antes era melhor? Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Junho 2017

O uberiado é mais complexo do que o proletariado. O que marca a sua distinção com o período anterior é a ausência de regulação, escreve Cesar Sanson, professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN, em artigo escrito para o sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, 25-06-2017.

Eis o artigo.

Já se tornou comum falar em ‘uberização do trabalho’. Conceito que denota a veloz tendência das novas modalidades e condições de trabalho oriundas das inovações tecnológicas transformadas em aplicativos que possibilitam a prestação de serviços através da interação entre o digital, o físico e o biológico. O Uber é o exemplo mais citado desse bem sucedido case. Mas há muitos outros.

A condição de trabalho na uberização é caracterizada pela ausência de regulação quando se tem como referência a sociedade industrial. Não é correto afirmar que a uberização elimina direitos, uma vez que a mesma já nasce livre das amarras de qualquer regulação. É intrínseco ao modelo a não vinculação com direitos. O sucesso do aplicativo se tornou possível em função da total ausência de regulação.

Por isso, deveríamos falar em ubercapitalismo e não em uberização. O ubercapitalismo pretende a supressão do Estado como mediador entre o capital e o trabalho e transforma todos em trabalhadores individuais, apartados entre si, cada qual, lutando por sua sobrevivência. Essa é a novidade do modelo ubercapitalista.

Não é de todo absurdo associar o que está acontecendo agora com outro momento histórico: a Revolução Industrial. As altas chaminés das indústrias têxteis, o seu chamejar noturno, o trepidar incessante das máquinas e a agitação das multidões operárias vergaram o feudalismo e fizeram surgir o proletariado. Agora, o correspondente ao ubercapitalismo é o uberiado. No lugar do proletariado devemos agora falar em uberiado.

As mudanças nos padrões das relações de trabalho em que a regra é a ausência de regras é resultante dessa reorganização do capitalismo. Logo, o Uber é hoje o que a indústria têxtil foi para o capitalismo industrial. Com uma diferença significativa, a indústria têxtil possibilitou o assalariamento – quantia fixa paga por um mês de trabalho sem intermitência – e direitos como jornada de trabalho, férias, previdência. O Uber é o desmonte do conceito do assalariamento e seu rol de direitos.

O uberiado é o trabalhador do século XXI por excelência. Não o é ainda quantitativamente, mas virá a ser. A condição do uberiado é a ausência da regulação. Não há mais contratos, salários fixos, jornadas de trabalho pré-definidas, local de trabalho. O ubercapitalismo é a exponencialidade da flexibilidade e da instabilidade.

O uberiado, porém, não é homogêneo. O ganho flexível para cima ou para baixo depende das capacidades cognitivas. Porque essa é outra característica do ubercapitalismo, ele é portador do paradigma produtivo assentado sobre o conhecimento. O conhecimento é agora, o que o binônimo carvão-aço foi para a Revolução Industrial. É o conhecimento que permite a alavancagem da produtividade. O conhecimento, entretanto, é um recurso imaterial. Ele não é ‘disponível’ e pré-determinado como o recurso material.

Note-se que o Uber, por exemplo, vale mais do que a General Motors ou a Ford. Essas montadoras são oriundas do capitalismo material. O Uber integra a emergente economia do imaterial. Essa economia substitui o capital físico pelo capital intangível, um capital associado a conceitos e ideias e não mais coisas. Uma economia que tem o poder de alterar padrões de consumo, de trabalho e relacionamento entre as pessoas.

Na economia imaterial, a inovação produtiva já não é criada apenas pelo capitalista, mas emerge sobretudo das energias produtivas do próprio trabalho, ou seja, o sujeito do trabalho joga um papel determinante como parte integrante da própria forma de organizar a produção. Em outras palavras, a principal fonte do valor reside agora nos recursos imateriais, no conhecimento demandado ao trabalhador e não apenas no capital fixo, a maquinaria.

O uberiado, portanto, não é homogêneo como o proletariado da sociedade fordista, o que significa dizer que ser ‘uberário’ não significa necessariamente ganhar pouco, embora essa seja a regra. Dependendo das capacidades cognitivas um trabalhador no ubercapitalismo pode ganhar muito. Tome-se como exemplo a cadeia produtiva de uma montadora do futuro. Nela, os designers, projetistas de peças e desenvolvedores de softwares farão o seu trabalho sem vínculo empregatício, mas serão bem pagos, uma vez que o seu conhecimento é imprescindível para a montadora. O uberiado é mais complexo do que o proletariado. O que marca a sua distinção com o período anterior, como já afirmado, é a ausência da regulação.

E como ficarão as lutas por emancipação do uberiado? Teremos ações coletivas? No lugar dos sindicatos surgirá algo? Por ora, nada pode ser antecipado. O ubercapitalismo, porém, apresenta brechas que permite uma reflexão dialética. Considerando-se que principal fonte do valor no ubercapitalismo reside no conhecimento, é interesse do capital subordinar o conhecimento individual e coletivo [general intellect] ao seu projeto de acumulo rentista.

Mas, há uma novidade. O conhecimento requerido pelo capital é também de propriedade de quem o fornece e da mesma forma que pode servir ao projeto do capital, pode também servir a um projeto emancipatório. Uma pista de outro projeto de economia e de relações de trabalho, mas não apenas, pode ser encontrado em experiências da economia colaborativa, nas redes sociais produtivas autônomas, no cooperativismo de plataforma.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Ubercapitalismo e uberiado

##CHILD
picture
ASAV