Papa na Vigília de Pentecostes: “Todos juntos, a paz é possível”

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS
  • O Sínodo nos ajuda a entender que a solução não está no Direito Canônico, mas na profecia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Junho 2017

Uma festa, um megaencontro, um pouco de show, um pouco de oração. Havia um pouco de tudo isso no Circo Máximo: 30 mil pessoas cantando e fazendo olas, rezando com as mãos estendidas ao céu, respondendo ao pregador no palco que os convidava a repetir: Jesus is the Lord. O papa, ele também no palco, junto com os pentecostais católicos e os protestantes, parecia se divertir muito. A ocasião da festa foi o 50º aniversário da Renovação no Espírito.

A reportagem é de Franca Giansoldati, publicada no jornal Il Messaggero, 03-06-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“Uma corrente de graça. Uma obra que nasceu ecumênica, porque é o Espírito Santo que deu a inspiração para que fosse assim. A profissão de fé de todos os cristãos é a mesma.” Bergoglio também lembrou o porquê do encontro no Circo Máximo: “Hoje estamos aqui juntos, de 120 países do mundo, porque aqui, durante as perseguições, foram martirizados os cristãos para a diversão daqueles que estavam olhando. Hoje, há mais mártires mais cristãos. Quem mata não pergunta se é ortodoxo, católico, luterano, calvinista. Não. Mata-se por ser cristão. Hoje, há mais mártires do que nos primeiros tempos, e esse é o ecumenismo do sangue. Une-nos o testemunho dos mártires de hoje”.

O papa invocou a unidade dos cristãos, sejam católicos ou protestantes. É um sinal urgente para o mundo. “Caminhar juntos, trabalhar juntos, amarmo-nos. E, juntos, tentar explicar as diferenças, mas a caminho. Parados, nunca vamos nos pôr de acordo: o Espírito nos quer a caminho. Uma corrente de graça. Renovação porque não tem nem fundador, nem estatutos, nem órgãos de governo. Nasceram vários carismas a serviço da Igreja, mas não é possível opor barragens à corrente ou colocar o Espírito Santo em uma gaiola.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa na Vigília de Pentecostes: “Todos juntos, a paz é possível” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV