Equador. Seis pessoas são presas sob acusação de receber propina da Odebrecht

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS
  • O Sínodo nos ajuda a entender que a solução não está no Direito Canônico, mas na profecia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 06 Junho 2017

Seis pessoas foram presas no Equador no dia 2-6 sob a acusação de ter recebido subornos da empreiteira Odebrecht. As prisões foram realizadas a partir de informações obtidas pela procuradoria equatoriana com autoridades brasileiras, e podem afetar o governo do Equador: um tio do vice-presidente do país está entre os detidos.

Os presos teriam recebido propina da Odebrecht para facilitar a obtenção, pela empreiteira, de contratos com o Estado equatoriano. As detenções ocorreram após a procuradoria do Equador ter tido acesso a informações da delação da Odebrecht.

Na semana passada, Carlos Baca, procurador-geral do Equador, teve uma reunião no Brasil com funcionários da Procuradoria-Geral da República. Pelos termos do acordo firmado entre a Odebrecht e as autoridades brasileiras, as informações só poderiam ser compartilhadas com outros países a partir de 1-6.

O controlador-geral do país, Carlos Pólit, é acusado de envolvimento no escândalo. Outro dos acusados é o empresário Ricardo Rivera, tio de Jorge Glas, vice-presidente equatoriano. Rivera, que está em prisão domiciliar, teria se valido dessa relação para receber propina da Odebrecht, segundo a procuradoria.

Glas ocupa o cargo desde 2013, tendo sido eleito na mesma chapa do ex-presidente Rafael Correa. Ele foi eleito vice-presidente novamente em 2017, com Lenín Moreno como presidente. Eles tomaram posse no dia 24-5 para um mandato de quatro anos.

Após as prisões, oposicionistas pediram a renúncia de Glas. Entre eles, está Alberto Acosta, um dos ideólogos originais do governo de Correa e ex-presidente da Assembleia Nacional equatoriana que, hoje, é contrário ao governo.

Por meio do Twitter, Glas afirmou: “Que a Justiça investigue e sancione tudo. Na Revolução Cidadã [forma usada pelos apoiadores do governo] ninguém está sobre a lei. Seguiremos combatendo a corrupção da Odebrecht”.

O presidente Lenín Moreno defendeu as investigações: “Não vamos permitir que nenhum ato de corrupção fique impune, venha de onde venha. Todos os envolvidos no caso Odebrecht devem responder à Justiça”, disse. Para ele, o processo de combate à corrupção se fortalece com as informações vindas de fora do Equador.

Escândalos de corrupção abalaram a imagem do governo de Correa durante seus últimos anos no poder, e Moreno, em seu discurso de posse, prometeu empreender uma “batalha frontal” contra a corrupção. Na semana passada, ele havia anunciado a criação de uma frente contra a corrupção no país.

O ex-presidente Rafael Correa afirmou que “achar que as detenções e buscas desta madrugada são fruto de uma semana de trabalho é ingenuidade extrema”. Ele destacou que “nós estávamos trabalhando com a Procuradoria, e só nos faltava o acesso à informação do Brasil para poder operar contundentemente”.

Correa também publicou uma nota da Aliança País – o partido governista, ao qual ele, Moreno e Glas são filiados – que expressa apoio à luta contra a corrupção. “Que os corruptos afrontem as consequências de seus atos e paguem por eles e, especialmente, que aqueles que traíram desta maneira a fé pública, valendo-se de sua condição de funcionários, seja qual fosse sua procedência política, recebam a condenação que merecem e o forte repúdio do conjunto da sociedade”, diz o texto.

Em 1-6, dia anterior às prisões, a Assembleia Nacional havia rejeitado uma moção para discutir o caso Odebrecht em plenário. No dia 5-6, porém, os congressistas da Aliança País abordaram o tema, e defenderam a expulsão da empreiteira brasileira do país. A Aliança País tem maioria no Congresso equatoriano.

As prisões da semana passada não são as primeiras relativas ao caso Odebrecht a serem feitas no Equador. Um ex-ministro de Eletricidade, Alecksey Mosquera, havia sido detido em abril. Sua pasta era responsável por projetos de hidrelétricas. Mosquera teria recebido um milhão de dólares em propina da Odebrecht.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Equador. Seis pessoas são presas sob acusação de receber propina da Odebrecht - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV