Austrália. Defensor das vítimas de abuso sexual clerical receberá funeral de Estado

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “A pastoral com as pessoas LGBT deve fazer parte do caminho sinodal”, defende o cardeal de Bolonha

    LER MAIS
  • Os padres das novas gerações e o ‘modelo’ padre Pino Puglisi: uma distância intransponível?

    LER MAIS
  • As origens do termo “gaúcho” e nossas heranças indígenas. A história que não te contam

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Mai 2017

Chefe do Executivo do estado australiano de Victoria, Daniel Andrews disse que ofereceu, no domingo de tarde à família da Anthony Foster, um funeral de Estado, e que a esposa do falecido, Chrissie, aceitou.

A reportagem é de Josh Gordon, publicada por The Age, 28-05-2017. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Andrews disse que Foster será lembrado como um homem que “de um modo silencioso e profundo, mudou a história australiana”, após empreender campanhas por justiça de parte da Igreja Católica.

Foster lutou contra atos perversos que eram vergonhosamente negados e acobertados”, declarou o Andews em nota. “Ele e Chrissie perderam muitas causas, mas jamais perderam a dignidade, a graça e a força. Anthony não será esquecido, e a luta por justiça continuará”.

Duas das filhas de Foster, Emma e Katie, foram repetidas vezes estupradas pelo notório padre pedófilo Kevin O’Donnell quando eram estudantes de ensino fundamental em uma escola da Paróquia de Oakleigh, em Melbourne.

Foster ficou conhecido após publicamente acusar o Cardeal George Pell de dificultar o pedido de indenização feito pela família contra a Igreja Católica quando era arcebispo de Melbourne.

Depois de uma década de batalha nos tribunais, Emma tirou a própria vida aos 26 anos de idade. Ela e sua irmã Katie beberam exageradamente antes de serem atingidas por motorista de caminhão que estava bêbado, em 1999, deixando-a severamente deficiente e necessitada de cuidados 24 horas por dia.

A uma investigação no estado de Victoria que examinava acusações de abuso sexual, Foster contou que Pell havia mostrado uma “falta de empatia sociopata” quando ambos se encontraram.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Austrália. Defensor das vítimas de abuso sexual clerical receberá funeral de Estado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV