36ª Assembleia Geral do Celam à espera de uma mensagem do Papa Francisco a 10 anos do Documento de Aparecida

Revista ihu on-line

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

Edição: 510

Leia mais

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Mais Lidos

  • Seis brasileiros concentram a mesma riqueza que a metade da população mais pobre

    LER MAIS
  • Se eu estiver errado, corrijam-me. As sete heresias da Amoris Laetitia

    LER MAIS
  • Escravidão, e não corrupção, define sociedade brasileira, diz Jessé Souza

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

09 Maio 2017

A 36ª Assembleia Geral do Conselho Episcopal Latino-Americano e do Caribe, Celam, que iniciará nesta terça-feira, 9 de maio, em San Salvador (El Salvador), com a participação de delegados dos 22 episcopados da da região, do México ao Chile e à Argentina, incluindo obviamente as Conferências Episcopais da América Central (Sedac) e da região caribenha, concluirá os seus trabalhos no dia 12, data do 10º aniversário da visita de Bento XVI à Basílica de Nossa Senhora Aparecida, no Brasil.

A reportagem é de Luis Badilla, publicada no sítio Il Sismografo, 07-05-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Naquele dia, o Papa Ratzinger, depois da recitação do Santo Rosário, encontrou os sacerdotes, religiosos e religiosas, os seminaristas e os diáconos na basílica de Aparecida e, no dia seguinte, celebrou a Santa Missa de inauguração da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe na praça em frente ao santuário.

Certamente, a plenária do Celam recordará, nas suas conclusões, todos esses eventos de 10 anos atrás, em particular a publicação do grande documento final – justamente, o “Documento de Aparecida” – elaborado durante as duas semanas de trabalho por uma equipe que era presidida pelo então arcebispo de Buenos Aires, o cardeal Jorge Mario Bergoglio.

Tempos depois, o cardeal Bergoglio, conversando com a jornalista Stefania Falasca, diria: “O documento de Aparecida não se esgota em si mesmo, não se fecha, não é o último passo, porque a abertura final é sobre a missão. O anúncio e o testemunho dos discípulos. Para permanecer fiel é preciso sair. Permanecendo fiel, sai-se. É isso que Aparecida diz, no fundo. Que é o coração da missão. Permanecer fiel implica uma saída. Justamente, se permanecermos no Senhor, saímos de nós mesmos. Paradoxalmente, justamente porque permanecemos, seremos fiéis se mudarmos. Não permanecemos fiéis como os tradicionalistas ou os fundamentalistas, à letra. A fidelidade é sempre uma mudança, um florescimento, um crescimento. O Senhor opera uma mudança naquele que lhe é fiel. É a doutrina católica. São Vicente de Lérins faz a comparação entre o desenvolvimento biológico do homem, entre o homem que cresce, e a Tradição que, ao transmitir de uma época para a outra o depositum fidei, cresce e se consolida com o passar do tempo: ‘Ut annis scilicet consolidetur, dilatetur tempore, sublimetur aetate’”.

Em um artigo publicado no jornal El Clarín, de Buenos Aires, recordava-se há algum tempo: “O arcebispo Victor Manuel Fernández disse que Bergoglio tinha chegado a Aparecida com esperança e preocupação. Muitos diziam que a conferência podia renovar o entusiasmo, mas, acima de tudo, o sonho de uma Igreja latino-americana com uma identidade própria e um projeto histórico marcado pela beleza do Evangelho e pelo amor aos pobres. Alguns diziam que, na conferência anterior, em Santo Domingo, a ingerência da Cúria vaticana tinha sido excessiva, e que o fervor latino-americano tinha se perdido”.

Sobre a presença e sobre o discurso do Papa Ratzinger, o cardeal Bergoglio esclareceu a Stefania Falasca: “O papa deu indicações gerais sobre os problemas da América Latina e, depois, deixou em aberto: façam vocês, façam vocês!. Foi um gesto muito grande, esse, por parte do papa. A conferência começou com as exposições dos 23 presidentes das diversas Conferências Episcopais, e, a partir daí, abriu-se a discussão sobre os temas nos diferentes grupos. As fases da redação do documento também permaneceram abertas para a contribuição de todos. No momento de recolher os ‘modos’ para a segunda e a terceira redação, chegaram 2.240! A nossa disposição foi a de receber tudo o que vinha de baixo, do povo de Deus, e de fazer não tanto uma síntese, mas sim uma harmonia”.

Enquanto isso, o Pe. Rigoberto Pérez Garrido, secretário-executivo do departamento para as comunicações e a imprensa do Celam assegurou que, em San Salvador, a partir de terça-feira, no centro das reflexões, estará o testemunho, a vida e os escritos do Bem-aventurado Oscar Romero, assim como o magistério do Papa Francisco.

Sendo um ponto focal da pauta a situação atual da região e, portanto, os seus desafios, crises, males e perspectivas, é natural, acrescentou o Pe. Pérez Garrido, que uma parte importante das reflexões se detenha sobre a Doutrina Social da Igreja. Dentre outras coisas, trata-se de um componente essencial do Plano Pastoral Global que está sendo aplicado de 2015 a 2019.

Fontes próximas à assembleia asseguram que os participantes receberão uma mensagem especial do Papa Francisco.

Veja a mensagem do Papa:

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - 36ª Assembleia Geral do Celam à espera de uma mensagem do Papa Francisco a 10 anos do Documento de Aparecida