"Não à morte por injeção letal. A vontade do paciente deve ser respeitada." Entrevista com Vito Mancuso

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Ailton Krenak: “A Terra pode nos deixar para trás e seguir o seu caminho”

    LER MAIS
  • Covid-19: 'Pandemia no Sul caminha para agravamento sem precedentes', diz epidemiologista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Mai 2017

“Sou contrário à eutanásia, acho que seria preciso encontrar outra palavra, mas a autodeterminação do paciente é um princípio irrenunciável.” Vito Mancuso, teólogo de renome internacional, recebe com satisfação a decisão dos procuradores de Milão de exigir o arquivamento de Marco Cappato [tesoureiro da Associação Luca Coscioni que havia auxiliado e acompanhado o suicídio assistido do DJ Fabo]: “Uma decisão sábia. Sinto satisfação e alívio.”

A reportagem é de Giampiero Calapà, publicada no jornal Il Fatto Quotidiano, 03-05-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Teria sido injusto processar Cappato?

Teria sido injusto e paradoxal. Esse é um passo na direção da plena justiça, como o L’Osservatore Romano lembra: a cada um o que é seu.

Portanto, você seria favorável à legalização da eutanásia na Itália?

Eu deveria refletir um pouco mais a respeito: cessando os tratamentos, a morte chega sem dor com uma sedação profunda. Eu não seria entusiasta de uma solução que implicasse a injeção de medicamentos letais. Eu gostaria de um fim natural que ajudasse o paciente a não sofrer.

Você avaliou positivamente a aprovação parlamentar da lei sobre o testamento biológico?

Sim, acho que, quanto menos usarmos o termo “eutanásia”, melhor. Devemos fazer as contas também com uma dimensão irracional da mente que, com essa palavra, evoca um mal.

E então?

Seria preciso encontrar outra palavra que ainda permita a livre autodeterminação do paciente. Garantir ao paciente, justamente, a possibilidade de cessar os tratamentos. Acredito que um Estado laico deve garantir a cada um a condução da última página da própria vida.

Para você, então, é melhor que a forma como morreram o DJ Fabo e Davide Trentini na Suíça não seja uma possibilidade na Itália?

Pode-se estar de acordo ou não com o fato de pôr fim à vida desse modo. Mas, repito, é justo ter a possibilidade de se autodeterminar. A morte não se contrapõe à vida: é instinto de sobrevivência não se deixar sobrecarregar e poder decidir quando interromper os sofrimentos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Não à morte por injeção letal. A vontade do paciente deve ser respeitada." Entrevista com Vito Mancuso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV