Casos de malária crescem 60% entre indígenas do Alto Rio Negro

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Maio 2017

Nos últimos dois anos, os casos de malária aumentaram 60% entre a população indígena da calha do Alto Rio Negro, no noroeste do Amazonas.

A reportagem é de Bianca Paiva, publicada por Radioagência Nacional, 03-05-2017. 

Em 2015, foram cerca de 11 mil notificações na região. Em 2016, o número subiu para mais de 17,7 mil. De acordo com a Fundação de Vigilância em Saúde do Estado, os dados não refletem a situação de todo o Amazonas, que registrou redução de 32% de casos da doença no mesmo período.

Em entrevista ao programa Tarde Nacional, o chefe do Departamento de Vigilância Ambiental da fundação, Cristiano Fernandes, informou que três municípios concentram a maioria dos registros: São Gabriel da Cachoeira, Santa Isabel do Rio Negro e Barcelos.

"Esses três municípios de fato chamam a atenção pelo aumento da ocorrência de malária e chamam ainda mais atenção pelo perfil de adoecimento da população indígena por esse agravo. Isso tem trazido algumas discussões em virtude do desafio do controle em áreas indígenas ser ainda maior", afirmou o técnico da Vigilância Ambiental.

Diante desse quadro, Cristiano Fernandes informou que medidas preventivas serão intensificadas na região para evitar avanço da doença nesse ano. "O que a gente tem apontado como medida mais eficiente e mais eficaz no controle da malária é o diagnóstico precoce, oportuno e o tratamento adequado."

O Ministério da Saúde também lançou, em 25 de abril, Dia Mundial da Malária, uma campanha de prevenção e incentivo ao tratamento da doença. Com o slogan "Faça o Tratamento até o fim. Sem a doença, você vive muito melhor", a iniciativa será focada nos nove estados da Amazônia Legal, região que concentra 99% dos casos no país.

O Amazonas aparece em primeiro lugar, seguido do Acre e depois o Pará. A campanha será veiculada na televisão, rádio, internet e outdoors, além de carros e barcos de som, para que as orientações cheguem às populações mais distantes e vulneráveis.

A malária é causada por um parasita transmitido por mosquitos fêmeas, do gênero Anopheles. Entre os sintomas estão febre, dor de cabeça e vômitos, que geralmente aparecem entre 10 e 15 dias após a picada do mosquito.

Se não for tratada de forma adequada, a doença pode se agravar e até levar à morte. Não existe vacina contra a malária e a ela pode ser contraída mais de uma vez.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Casos de malária crescem 60% entre indígenas do Alto Rio Negro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV