Desmatamento da Amazônia Legal aumenta quase 30% no Acre, aponta Imazon

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • A Igreja é contra a Reforma da Previdência

    LER MAIS
  • A justiça social é mais importante para evitar doenças mentais do que medicamentos, afirma relator de saúde da ONU

    LER MAIS
  • Governo autoriza 42 novos agrotóxicos e somando 239 registros no ano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Maio 2017

Segundo o estado, dados do Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica por Satélite (Prodes), que são utilizados para monitoramento do desmatamento no estado, indicam uma redução de aproximadamente 50% nos últimos 10 anos.
A reportagem foi publicada por G1, 26-04-2017.
Dados do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) mostram que o desmatamento na área da Amazônia Legal no Acre aumentou quase 30% entre os meses de agosto de 2016 e março de 2017 em comparação com agosto de 2015 a março de 2016.  
Foram derrubados 22 quilômetros quadrados até março deste ano, enquanto que até março do passado foram 17 km², segundo a pesquisa.
Ao G1, o governo do estado afirmou que não tem conhecimento sobre os dados apresentados pelo Instituto.  Segundo o estado, dados do Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica por Satélite (Prodes), que são utilizados para monitoramento do desmatamento no estado, indicam uma redução de aproximadamente 50% nos últimos 10 anos.
“Esse reconhecimento se dá pela diferente metodologia adotada pelo Imazon em relação ao Instituto de Pesquisas Espaciais – Inpe/Prodes.  Os dados do Prodes para o Acre indicam uma redução de aproximadamente 50% nos últimos 10 anos.  Em relação a 2016, em que se observou uma elevação da taxa de desflorestamento no estado, o Inpe, a pedido do Governo, está realizando uma nova análise para revisão dos mesmos”, informou em nota.
Em relação à degradação das florestas na Amazônia Legal, de acordo com o estudo do Imazon, no Acre somaram 63 quilômetros quadrados entre agosto de 2016 e março de 2017.  O número de registros no mesmo período de 2015 e 2016 não foi divulgado.
Conforme os dados, os estados que mais desmataram foram Mato Grosso, com 405 km² de desmatamento, em segundo lugar ficou o Pará, que registrou 934 km² de mata derrubada e em terceiro, o Amazonas, com 253 km².  Em relação às florestas degradadas na Amazônia Legal, a cidade de Mato Grosso também fica em primeiro lugar, com mais de três mil quilômetros quadrados de área degradada.

A pesquisa

Em fevereiro e março de 2017, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) detectou 97 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal.  Isso representou uma redução de 54% em relação a fevereiro e março de 2016, quando o desmatamento somou 212 quilômetros quadrados.
As florestas degradadas na Amazônia Legal somaram 88 quilômetros quadrados em fevereiro e março de 2017.  Em relação a fevereiro e março de 2016 houve redução de 69%, quando a degradação florestal somou 281 quilômetros quadrados.
Conforme a pesquisa, em fevereiro e março de 2017 a maioria do desmatamento, 81%, ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse.  O estudo mostrou ainda que 14% do desmatamento ocorreu em unidades de conservação e 5% em assentamentos de reforma agrária.  Não houve ocorrência de desmatamento em terras indígenas nesse período.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Desmatamento da Amazônia Legal aumenta quase 30% no Acre, aponta Imazon - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV