Floresta Amazônica continua cedendo espaço à pecuária

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • No dia 09 de outubro de 2020, o cardeal Tolentino Mendonça abordará as contribuições de Francisco para um futuro pós-pandêmico, em conferência online

    Pandemia, um evento epocal. A encíclica Fratelli Tutti, lida e comentada por José Tolentino de Mendonça, cardeal, no IHU

    LER MAIS
  • É possível o fim da espécie humana?

    LER MAIS
  • O terremoto de Bergoglio. A Secretaria de Estado fica sem carteira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Abril 2017

O desmatamento da Amazônia registrou um aumento de 29% em 2016, o segundo ano consecutivo de crescimento, apesar dos progressos do Brasil na promoção da pecuária intensiva e na preservação de suas matas.

A reportagem é publicada por Agence France-Presse - AFP, 01-04-2016

Segundo imagens de satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a selva amazônica perdeu cerca de 800 mil hectares em 2016, um recorde desde 2008.

Mais da metade do desmatamento ocorreu em propriedades obrigadas por lei a preservar 80% de sua mata nativa.

Tendo em conta um período mais longo, a partir de 2004, a taxa de desmatamento da Amazônia caiu 71%.

O chefe da vigilância por satélite da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Evaristo Eduardo de Miranda, destaca esta evolução em relação à superfície das terras dedicadas à pecuária.

“Nos anos 90, os pastos ocupavam 210 milhões de hectares, contra 165 milhões hoje, enquanto as cabeças de gado bovino passaram de 140 milhões para 209 milhões”, disse Miranda à AFP.

O uso de adubos e as modificações genéticas do gado – com um peso médio superior em 23 kg em relação há 20 anos – também ajudaram a melhorar a produtividade na pecuária.

Mas para o Greenpeace, a pecuária segue sendo a principal responsável pelo desmatamento na Amazônia, com o gado ocupando em 2015 cerca de 60% das zonas desmatadas.

Os ativistas ambientais denunciam uma falta de controle nas zonas protegidas e manifestam preocupação com a migração do gado para o Cerrado.

A metade da vegetação nativa já foi destruída no Cerrado, de acordo com o Fundo Mundial para a Natureza (WWF).

Sem fazer muito barulho no Brasil, a operação “Carne Fria” se destacou junto à “Carne Fraca”, de 17 de março passado, e levou ao fechamento de 30 unidades de produção suspeitas de comercializar carne de gado procedente de zonas de desmatamento ilegal, prática considerada crime ambiental.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Floresta Amazônica continua cedendo espaço à pecuária - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV