Google enfrenta sua primeira crise de reputação

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • “Não dá para ser uma Igreja de decisões tomadas apenas por homens”. Entrevista com o Cardeal Hollerich, jesuíta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Abril 2017

A reação de empresas globais de retirarem publicidade do Google e de sua plataforma de vídeos, o YouTube, após suas propagandas aparecerem ao lado de vídeos que incitavam o terrorismo, pode representar um desafio ao modelo econômico dos gigantes da web. O alerta é de Alex Krasodomski-Jones, pesquisador do Centro de Análise de Mídia Social (CASM, em inglês), um polo de pesquisa e de tecnologia que faz parte do centro de estudos britânico Demos.

A entrevista é de Jamil Chade, publicada por O Estado de S. Paulo, 03-04-2017.

O pesquisador de Londres aponta para uma crise de reputação por parte do Google. Mas estima que, por sua posição dominante, a gigante de tecnologia dificilmente deixará de contar com anunciantes. “O que pode mudar é o modelo econômico”, afirmou o pesquisador, que tem como foco o extremismo e sua relação com redes sociais. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Eis a entrevista.

O anúncio de grandes marcas de que não vão colocar suas publicidades no Google é algo que pode mudar a relação com o mundo virtual?

Ainda é difícil saber a dimensão do que está ocorrendo. Em teoria, trata-se de um desafio direto aos modelos econômicos que permitiram gigantes como o Google ganhar tanto dinheiro. Nós, usuários, jamais pagamos para usar esses motores de busca e, claro, seu tamanho obtido nos últimos anos vem justamente da publicidade. Agora, é o modelo que pode ser obrigado a ser revisto.

Ainda teremos mais empresas deixando de fazer publicidade por conta desse caso?

O número de anúncios nesse sentido ainda cresce. Nos últimos dias, tivemos mais empresas americanas fazendo anúncios similares.

E de que forma o modelo econômico pode mudar?

A resposta do Google já deu uma indicação do caminho que pode ter essa nova tendência. Segundo a empresa, alguns dos vídeos colocados não vão ter mais publicidade. Ou seja, não vão ganhar dinheiro. Isso cria dois níveis de conteúdo que até agora não existiam. Haverá aquele padrão, que irá gerar ganhos, e outros que não. O que preocupa é que será o Google que vai decidir quem vai ser lucrativo. Hoje, essa empresa já tem a capacidade de moldar a forma pela qual entendemos o mundo. Mas, claro, ela precisa estar dentro de um modelo econômico e comercial. E, nesse modelo, é ela quem vai dizer quem ganha ou não ao colocar as coisas na web.

Como o sr. interpreta o poder de grandes anunciantes que, mesmo sendo do mundo real, têm ainda um grande impacto na empresa que hoje é uma das predominantes no mundo virtual?

É curioso. Podemos ter vontade política, pressão partidária e mesmo da opinião pública para que o Google retire do ar certa informação. Mas o que muda é quando os investidores retiram seus apoios. É o poder do mercado. Claro, não é a questão da liberdade de expressão que é tão vocal em uma decisão.

Esse é um momento de inflexão por parte do mundo virtual?

Acho que as grandes empresas offline vão continuar sendo substituídas pelo mundo online, em compras e em tantos outros setores. Mas a realidade é que o Google tem um poder de fogo tão grande no momento que tenho certeza de que vai acabar acomodando a todos. Ele se transformou nessa empresa gigante porque é eficiente no que faz. Claro, o Google vai ter de provar que a marca de um patrocinador não vai mais aparecer em um vídeo questionável. Mas, ainda assim, no médio prazo, seu poder é maior que o risco que gera e estou certo de que um entendimento será encontrado, sob um novo modelo.

Mas esse poder também vem de um certo monopólio.

Sim, essa é a questão maior. Hoje, ele é praticamente o único instrumento amplamente confiável e acessível para entender a web. Trata-se de um monopólio massivo e que tem o poder de controlar como o mundo se apresenta, pelo menos no Ocidente. É muito poder. Existe uma geração cada vez mais dependente do Google para entender o mundo e formar sua opinião. Nos anos 20, monopólios dessa natureza eram combatidos. Mas, hoje, ainda os vemos de forma muito clara no online.

O sr. acredita que houve um impacto na credibilidade do Google diante dessa história?

Aqui, no Reino Unido, um jornal trouxe em sua capa a seguinte frase: “Google é uma ameaça terrorista”. Claro, eles estão sendo atacados na imprensa e por político. Trata-se da primeira crise de reputação para eles. Mas não acho que haverá uma consequência de longo prazo. Por sua posição dominante, ninguém os abandonará. Da parte do consumidor, estamos tão acostumados com a facilidade que é seu serviço de busca que dificilmente esse hábito mudará. Mas, sim, o que pode mudar é o modelo econômico.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Google enfrenta sua primeira crise de reputação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV