Governador do MT defende indicações políticas para superintendentes fiscais

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar", denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • EUA: um complô para fazer com que o papa renuncie

    LER MAIS
  • A força de Theodor Adorno contra a extrema direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Março 2017

O governador do Mato Grosso, Pedro Taques, afirmou ontem (21) que não vê problema no fato de cargos de superintendente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento serem ocupados por indicados políticos. Segundo Taques, o problema está na prática de crime, e não na indicação política, uma vez que essas indicações podem ser técnicas.

Perguntado sobre a proposta apresentada por fiscais federais para que os cargos de superintendentes fiscais do ministério não sejam ocupados por indicados políticos, mas por servidores do quadro, o governador disse que indicações políticas não são problema, uma vez que podem adotar como critério a questão técnica.

A reportagem é de Pedro Peduzzi, publicada por Agencia Brasil, 21-03-2017.

“É bom que [os indicados] sejam técnicos. Mas os técnicos podem ser indicados politicamente. Isso é fato! Mais do que isso, [o problema] não é a indicação política: é alguém que comete o ilícito e tem de ser responsabilizado”, afirmou o governador, que foi recebido nesta terça-feira pelo presidente Michel Temer no Palácio do Planalto.

Ao sair, Taques manifestou preocupação com o impacto que as denúncias de irregularidades na fiscalização de frigoríficos apontadas pela Operação Carne Fraca podem causar à economia do país. “Não podemos fazer desse fato instrumento para perturbar na conquista de mercados internacionais.”

Afastamentos e nomeação

O Ministério da Agricultura divulgou, há pouco, nota na qual apresenta uma lista com os 33 servidores afastados do cargo em razão da investigação da Polícia Federal. De acordo com a Corregedoria-Geral do ministério, “esses servidores estão respondendo a processo administrativo disciplinar e já tiveram os nomes publicados no Diário Oficial da União e no Boletim de Pessoal e Serviços Internos do Mapa”.

No Diário Oficial de hoje, foi publicada a designação de Ricardo Augusto de Faria e Silva como substituto do superintendente federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Goiás.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governador do MT defende indicações políticas para superintendentes fiscais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV