Operação ‘Carne Fria’ do Ibama autua JBS, mas governo federal minimiza. Frigoríficos compravam bois em área embargada

Revista ihu on-line

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Karl Marx, 200 anos - Entre o ambiente fabril e o mundo neural de redes e conexões

Edição: 525

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro e seu estranho Deus das armas

    LER MAIS
  • Decisão histórica. Nos EUA, Monsanto é condenada a pagar multa milionária por herbicida

    LER MAIS
  • Francisco, aos jovens: "Uma Igreja fechada e clerical é um escândalo, uma perversão"

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Março 2017

Por coincidência, e mais azar do governo de Michel Temer, em pleno turbilhão da operação Carne Fraca, o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) deflagrou na última 2ª feira (20.mar.2017) outra operação que atinge gravemente a indústria da carne no país, inclusive a JBS, a maior empresa do ramo. Ninguém combinou, mas o Ibama chamou a sua operação de “Carne Fria”. Nessa ação, autuou 14 frigoríficos no Pará, Bahia e Tocantins que compraram 58.000 cabeças de gado produzidas em 26 fazendas com áreas embargadas pelo Ibama por desmatamento ilegal na Amazônia.

A reportagem é do site ((o))eco de jornalismo ambiental, publicada em parceria com o Poder360, 22-03-2017.

Dentre os frigoríficos, estavam as unidades de Redenção e Santana, no Pará, pertencentes à JBS. Feitas as autuações, o Ibama estava pronto para divulgar a talvez mais técnica operação que já realizou, e uma das mais bem-sucedidas em flagrar grandes infratores.

Isso não aconteceu, apesar de normalmente órgãos governamentais convocarem entrevistas para divulgar operações desta magnitude. O fato virou notícia apenas em sites regionais.

A razão para atrasar a divulgação da operação do Ibama é a enorme repercussão nacional e internacional que a operação Carne Fraca causou, produzindo danos à reputação do país e da indústria da carne.

O cálculo do governo federal foi simples. Carnes deterioradas provocaram reação da comunidade internacional. Se houvesse 1 repique com a ‘Carne Fria’, tudo poderia piorar: ficaria público que o Brasil exporta proteína animal produzida a partir de áreas desmatadas ilegalmente.

1 ano de preparação

A Carne Fria começou a ser planejada há quase 1 ano, em meados de 2016. Em vez de fiscalização em campo, a operação cruzou dados para pegar os infratores. A sua primeira etapa ocorreu em janeiro de 2016, quando o Ibama notificou os frigoríficos a entregar ao órgão os documentos que mostram a procedência do gado que adquirem.

O documento mais importante é o chamado GTA (Guia de Trânsito Animal), usado para controle sanitário, em especial febre aftosa. De posse do GTA é possível saber qual o percurso do gado até chegar à porta do frigorífico. Os dados dos frigoríficos foram comparados com os fornecidos pela Adepará (Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Estado do Pará). A partir dessa análise, o Ibama flagrou os crimes ambientais.

Outra consequência da operação do Ibama, segundo apurou ((o))eco, foi a queda do superintendente interino do instituto no Pará, Luiz Paulo Printes, um dos responsáveis por preparar a “Carne Fria”. No lugar dele, estava previsto para entrar Hildemberg Cruz, considerado um quadro técnico. Mas acabou entrando Arthur Valinoto.

Deflagrada pela Polícia Federal na última 6ª feira, 17 de março, a megaoperação batizada de Carne Fraca teve como alvo suposto esquema de corrupção envolvendo funcionários do Ministério da Agricultura e grandes empresas do setor alimentício, como a JBS e a BRF.

Após 2 anos de investigação, foi constatado que agentes públicos receberam propina para emitir certificados sanitários sem qualquer fiscalização efetiva dos alimentos comercializados. Com a repercussão da notícia, países como China, Coreia do Sul, Chile, além da União Europeia, anunciaram medidas restritivas à importação de carne brasileira.

Agora, além de fraca, a carne é fria, e envolve crime ambiental, no caso, mais desmatamento na Amazônia.

outro lado: Ibama

Procurado, o Ibama nega ter minimizado a operação, que ainda deverá durar cerca de 15 dias. Disse ao Poder360 que divulgará nota com informações oficiais. Os resultados ainda seriam parciais.

outro lado: JBS

Procurada, a empresa negou ter comprado de fornecedores irregulares. Eis a íntegra da nota enviada para o Poder360:

A JBS esclarece que não comprou animais de áreas embargadas pelo Ibama e vem cumprindo integralmente o TAC assinado com o Ministério Público Federal.

Para garantir a origem responsável de sua matéria-prima, a JBS:

  • seleciona 100% dos fornecedores com base em critérios socioambientais;
  • não adquire animais de fazendas envolvidas com desmatamento de florestas nativas, invasões de terras indígenas ou de conservação ambiental e que estejam embargadas pelo Ibama. As informações de movimentação dos animais entre fazendas são registradas na Guia de Trânsito Animal (GTA) responsabilidade dos órgãos governamentais;
  • mantém processo sistêmico de bloqueio de fornecedores que mantenham qualquer relação com violência no campo e conflitos agrários ou que façam uso de trabalho análogo ao escravo ou infantil.

Adicionalmente, e com o objetivo de identificar e bloquear fornecedores irregulares, a JBS realiza, diariamente, o download de todas as informações contidas na lista de áreas embargadas pelo Ibama e da “lista suja do trabalho escravo” do Ministério do Trabalho (na ausência da publicação da lista do MTE, utilizamos a lista publicada pelo Instituto pela Erradicação do Trabalho Escravo – InPacto), para confrontação dos CPFs/CNPJs contidos nas listas públicas com o cadastro de fornecedores de gado da companhia.

Outro lado: Ministério da Agricultura

O Ministério da Agricultura informou, por meio de sua assessoria de comunicação, não ter conhecimento da operação Carne Fria.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Operação ‘Carne Fria’ do Ibama autua JBS, mas governo federal minimiza. Frigoríficos compravam bois em área embargada - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV