Francisco volta a fazer fortes críticas ao sistema econômico

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia, um novo passo de “um 'kairós' para a Igreja e o mundo”

    LER MAIS
  • “Minha filha trans e católica é uma prova viva de como o Vaticano está errado em relação ao gênero”

    LER MAIS
  • Anule-se tudo que aconteceu a partir da criação da Lava Jato

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Fevereiro 2017

Em uma mensagem enviada a um encontro de movimentos populares em Modesto, na Califórnia, ontem o papa voltou a denunciar o sistema econômico atual com definições fortes, "uma gangrena que não pode ser maquiada para sempre, pois, mais cedo ou mais tarde, o cheiro será sentido".

A reportagem é de Elisabetta Piqué, publicada por La Nación, 18-020- 2017. A tradução é de Henrique Denis Lucas.

Perante trabalhadores informais, catadores, recicladores, indígenas, operários e líderes sociais de todo o mundo - que já foram convidados três vezes ao Vaticano, encorajados a seguirem lutando por justiça social e pelos três Tês (terra, teto e trabalho) -, Francisco denunciou a "fraude moral" daqueles que ignoram os que estão em sofrimento.

"As feridas causadas pelo sistema econômico, que tem em seu centro o deus do dinheiro, e que às vezes atua com a brutalidade de ladrões em uma parábola, foram ignoradas criminosamente. Na sociedade globalizada existe um estilo elegante de desviar o olhar, praticado recorrentemente: sob a roupagem do que é politicamente correto ou das modas ideológicas, olha-se para aquele que está em sofrimento sem tocá-lo, mas transmitindo-o ao vivo, e também adotando um discurso aparentemente tolerante e repleto de eufemismos, mas nada é feito sistematicamente para curar as feridas sociais ou enfrentar as estruturas que deixam tantos irmãos jogados pelo caminho", acusou, em um discurso evidentemente escrito a próprio punho.

"Esta atitude hipócrita, tão distinta a do Samaritano, manifesta a ausência de uma verdadeira conversão e um verdadeiro compromisso com a humanidade. Trata-se de uma fraude moral que, mais cedo ou mais tarde, ficará exposta, como uma miragem que se dissipa. Os feridos estão lá, eles são uma realidade. O desemprego é real, a violência é real, a corrupção é real, a crise de identidade é real, o esvaziamento das democracias é real", disse ele. E foi mais longe: "Quando este sistema debilitado já não pode mais ser negado pelo mesmo poder que gerou este estado das coisas, nasce a manipulação do medo, da insegurança, da raiva, e inclusive, da indignação justa do povo, transferindo a responsabilidade de todos os males para algo que 'não está próximo'".

Em sua primeira visita a uma universidade em Roma para a matéria de Riccardi publicada hoje, o papa abordou conceitos parecidos ao falar sobre a existência de uma "economia líquida". Ao responder as perguntas de quatro alunos, deixou de lado o discurso que havia preparado e falou com o coração. Ao recordar do sociólogo Zygmunt Bauman  e o conceito de sociedade líquida, Francisco destacou que "a economia líquida, não se concretiza, criando uma falta de trabalho e desocupação". É algo que induz os jovens aos vícios, ao suicídio ou ao envolvimento com grupos terroristas, para que assim haja um "sentido em sua vida", disse ele.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco volta a fazer fortes críticas ao sistema econômico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV