Andrade Gutierrez trapaceou a justiça para ajudar o PSDB e foi premiada pela Lava Jato

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Fevereiro 2017

"É fácil entender isso: o Brasil está dentro de um golpe de Estado e sob a vigência de um regime de exceção. A oligarquia golpista aparelha e direciona as instituições de Estado – judiciário, ministério público, polícia federal – para destruir os inimigos de classe. Para aniquilar Lula e o PT, vale tudo, inclusive a destruição do Estado de Direito, a Constituição e a democracia", escreve Jeferson Miola, integrante do Instituto de Debates, Estudos e Alternativas de Porto Alegre (Idea) e foi coordenador-executivo do 5º Fórum Social Mundial.

Eis o artigo.

A empreiteira Andrade Gutierrez trapaceou a justiça para ajudar o PSDB e, a despeito dos crimes de falso testemunho e ocultação da corrupção tucana, assim mesmo foi premiada pela Lava Jato com acordos de delação, redução de penas e preservação da fortuna amealhada no assalto ao dinheiro público.

No processo que tramita no TSE sobre os gastos da campanha presidencial da chapa Dilma-Temer, o ex-presidente da empreiteira, Otávio Azevedo, prestou falso testemunho para incriminar Dilma, mentindo ter doado R$ 1 milhão de dinheiro supostamente proveniente de propina para a campanha dela de 2014.

Azevedo alegou, com impressionante desfaçatez, que a doação à campanha da Dilma tinha origem em propinas, ao passo que as contribuições feitas à campanha do Aécio Neves – em quantias superiores e originadas no mesmo caixa da Andrade Gutierrez – tinham origem legal e honesta [sic].

A defesa da Dilma no processo desmontou a armação, comprovando que o valor foi doado mediante cheque nominal não à tesouraria oficial da chapa Dilma-Temer, mas nominalmente para o então candidato a vice-presidente, o conspirador Michel Temer.

Uma vez desmascarada a vilania, o TSE entendeu que como a doação foi feita a Temer, não seria mais propina; fosse à Dilma, seria propina. Ao mesmo tempo, o TSE concedeu a Otávio Azevedo o direito de “corrigir” o falso depoimento. O empresário, todavia, não foi punido por falso testemunho, pela produção de provas falsas e imputação falsa de crime a terceiros.

A conduta da Andrade Gutierrez de trapacear a justiça e falsificar a verdade para proteger o PSDB parece ser prática institucional. Nos acordos de delação com a Lava Jato, os diretores da empresa esconderam desvios na execução de obras nos governos do PSDB:

- [1] o esquema montado com instruções diretas e pessoais de Aécio Neves em Minas Gerais para a construção do Centro Administrativo do Estado, estimado para custar R$ 500 milhões, mas que alcançou R$ 2,1 bilhões – superfaturamento superior a 400%!;

- [2] corrupção nas obras do anel rodoviário metropolitano de São Paulo [Rodoanel Mário Covas], cujos desvios são estimados em mais de R$ 1,3 bilhões; e

- [3] corrupção no metrô de SP, existente desde 1998 quando iniciaram os governos do PSDB [Covas, Serra e Alckmin], e que causaram prejuízos de mais de R$ 1 bilhão.

O truque da Andrade Gutierrez para esconder os esquemas do PSDB não funcionou, porque funcionários da Odebrecht relataram tais casos nos seus acordos de delação. Ante esta nova fraude processual e ocultação de provas, a força-tarefa da Lava Jato premiou os diretores da empreiteira com o “recall”, ou seja, com uma nova oportunidade para “corrigirem” os falsos depoimentos.

Não é necessário ser um jurista genial para identificar o enquadramento penal cabível a qualquer pessoa que zoasse do poder judiciário como fazem os diretores da Andrade Gutierrez para proteger o PSDB.

É fácil entender isso: o Brasil está dentro de um golpe de Estado e sob a vigência de um regime de exceção. A oligarquia golpista aparelha e direciona as instituições de Estado – judiciário, ministério público, polícia federal – para destruir os inimigos de classe.

Para aniquilar Lula e o PT, vale tudo, inclusive a destruição do Estado de Direito, a Constituição e a democracia.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Andrade Gutierrez trapaceou a justiça para ajudar o PSDB e foi premiada pela Lava Jato - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV