Prato de comida pode custar 100 vezes mais nos países em desenvolvimento

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Janeiro 2017

Moradores de países em desenvolvimento estão pagando até 100 vezes mais por um prato básico de alimentos, na comparação com o preço gasto por moradores de países ricos.

A análise foi feita pelo Programa Mundial de Alimentos, PMA. No caso dos mais vulneráveis, que vivem em zonas de conflito, a diferença de preço por uma refeição simples pode ser até 300 vezes maior.

A reportagem é de Leda Letra, publicada por Rádio ONU, 16-01-2017.

Feijão

Se for medida qual porcentagem o custo de uma refeição representa na renda média diária de uma pessoa, é possível afirmar que um morador do Malauí paga muito mais caro do que um habitante da Suécia para se alimentar.

Para poder comer uma tigela de feijão cozido, um malauiano precisa gastar 41% da sua renda diária. Já um sueco gasta 0.41% de sua renda pelo mesmo prato, o que representa menos de 1 dólar.

Direito de todos

Pela comparação da agência da ONU, a refeição no Malauí sai 100 vezes mais cara do que na Suécia. Mas numa cidade sitiada na Síria, como Deir Ezzor, o custo de um prato de feijão é maior do que a verba diária de um morador. Já na Índia ou na Nicarágua, o preço chega a ser entre 10 a 15 vezes mais alto do que na Suécia.

O alerta do PMA está sendo feito às vésperas do Fórum Econômico Mundial, em Davos, que ocorre entre os dias 17 e 20 de janeiro. A ideia é mostrar aos líderes as distorções no poder de compra dos ricos e dos pobres e lembrar que alimentos nutritivos e acessíveis do ponto de vista econômico devem ser um direito de todos.

Desperdício

Segundo a agência, as refeições custam muito alto em países pobres devido a problemas de estocagem, de transporte e de distribuição, além da pouca variedade nas plantações, baixo acesso dos agricultores a mercados e falta de preparo para lidar com mudança climática e conflitos.

O PMA acredita que medidas firmes são essenciais para mudar esse cenário, desde a diversificação das colheitas até a redução do desperdício de comida. A agência vai continuar a ampliar a sua nova base de dados, batizada de “Refeição Quente”, para incluir dezenas de países.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Prato de comida pode custar 100 vezes mais nos países em desenvolvimento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV