Moradores do leste de Alepo enfrentam horror, frio e fome

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Piketty: a ‘reforma agrária’ do século XXI

    LER MAIS
  • Sínodo, o único sacerdote indígena: “Eu deixaria o sacerdócio se entendesse que o celibato não serve mais para mim”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Dezembro 2016

Conflito na cidade síria já deslocou cerca de 40 mil civis, que foram forçaram a deixar suas casas por conta da violência e escassez de alimentos. Você pode ajudá-los com um clique em doar.acnur.org

A reportagem é publicada por ACNUR, 16-12-2016.

 A fome por fim levou Mohammead, de 16 anos, e sua família a abandonarem a casa onde viviam em Alepo, esquivando-se das balas dos atiradores enquanto corriam para salvar suas vidas.

"Estávamos morrendo de fome no leste de Alepo, tivemos que partir", contou Mohammad ao ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados, depois que ele e vários membros de sua família encontraram segurança no oeste da cidade.

"Costumávamos ganhar sacos de pão, mas então não recebemos mais essa ajuda e restou apenas arroz. Depois que o arroz acabou e o preço dos alimentos subiu, não conseguimos mais arcar com os custos".

À medida que se aproximavam das artilharias em ruas devastadas, correndo de esconderijo em esconderijo, o pai de Mohammad se separou do grupo, forçando o jovem a escolher entre procurá-lo ou seguir com o resto da família para um local mais seguro.

Eles conseguiram chegar à fábrica de algodão Mahalej, um abrigo temporário para os recém-chegados, onde o ACNUR está fornecendo roupas de inverno, cobertores, colchões, sacos de dormir, água e comida para os necessitados. Enquanto sua irmã Ahlam – que significa “sonhos” em árabe – brincava ao fundo, Mohammad disse que ainda não sabe o que aconteceu com seu pai.

Mohammad está entre os vários residentes recentemente deslocados de Alepo oriental que descreveram o sofrimento e o terror da vida no meio do enclave, enquanto o ACNUR pede repetidamente que todas as partes envolvidas no conflito garantam a segurança de dezenas de civis que ainda se encontram na cidade.

Semanas de intensos combates custaram caro aos civis em Alepo, que antes do conflito da Síria era o centro comercial e a maior cidade do país.

A feroz batalha pelo lado oriental da cidade, que esteve sob o controle da oposição durante grande parte dos últimos quatro anos, forçou cerca de 40 mil civis a buscarem segurança no oeste controlado pelo governo nas últimas semanas, embora os números não sejam precisos e possam ser ainda maiores.

Homens, mulheres e crianças que recentemente chegaram a abrigos contaram detalhes angustiantes sobre semanas de bombardeio e da escassez de alimentos, de cuidados médicos e de combustível para aquecimento. A provação foi agravada pelo fato de que a luta impediu a ajuda humanitária de chegar ao leste durante os últimos cinco meses.

Além de fornecer itens de socorro essenciais, o ACNUR também está oferecendo serviços de aconselhamento e proteção aos recém-chegados traumatizados, incluindo muitas crianças. Bader, de 12 anos, que perdeu sua mãe antes do início da crise, estava encolhido dentro do abrigo junto de seu pai, sua madrasta e seis irmãos.

"Senti muito frio e fome nos últimos 10 dias", disse Bader, com os olhos brilhando com lágrimas. "Tínhamos uma casa, mas foi completamente destruída. Foi muito chocante ver nossa casa em ruínas".

Aziza, mãe solteira na casa dos trinta e poucos anos, chorava num canto de um dos grandes hangares transformados em abrigos, sentada no chão com suas duas filhas. Ela conversou com membros do ACNUR e disse: "Quando chegamos aqui, percebi que estávamos amaldiçoados com o deslocamento. Tenho muito medo do que o futuro nos reserva, especialmente para minhas filhas".

O ACNUR e seus parceiros estão ampliando a resposta humanitária em Alepo para atender às necessidades dos recém-deslocados, bem a dos deslocados anteriormente no oeste da cidade. Além de alimentação, água e proteção, uma das necessidades humanitárias mais urgentes é encontrar abrigo seguro para os recém-deslocados.

O início do inverno torna ainda mais vital que as famílias sejam mantidas em locais secos e aquecidos – um pequeno conforto depois de meses vivendo em constante medo.

Leia mais 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Moradores do leste de Alepo enfrentam horror, frio e fome - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV