Para marqueteiro de Crivella, vez é dos outsiders da política

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • “Não dá para ser uma Igreja de decisões tomadas apenas por homens”. Entrevista com o Cardeal Hollerich, jesuíta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Dezembro 2016

Responsável pelo tom agressivo na reta final da campanha do prefeito eleito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), o marqueteiro Marcello Faulhaber afirma que a próxima eleição será dominada por candidatos de fora da elite política do país.

Os "outsiders" não precisam ser, para Faulhaber, neófitos no mundo político. A lista de nomes com longa carreira eleitoral e, para ele, com esse potencial inclui Ciro Gomes (PDT), Jair Bolsonaro (PSC) e Marina Silva (Rede).

"Quem vier com o discurso bonitinho, arrumadinho, da câmera está morto", diz o publicitário.

A entrevista é de Ítalo Nogueira, publicada por Folha de S. Paulo, 18-12-2016.

Engenheiro de formação, Faulhaber foi o mentor de peças vinculando o adversário Marcelo Freixo (PSOL) ao comunismo e à tática black bloc. Incentivou também os ataques de Crivella à mídia. "Ninguém é obrigado a lidar com a imprensa", diz.

Eis a entrevista.

Como Marcelo Crivella venceu mesmo com as críticas à sua candidatura?

Antes ele sofria e não sabia reagir. Dessa vez reagiu de forma corajosa. Isso deu postura de líder a ele.

A relação com a imprensa se deteriorou muito.

Ele achava que tudo o que falava era deturpado. E era.

Não é um argumento de quem não soube lidar com a mídia?

Acho que ninguém é obrigado a lidar com a imprensa.

Esse comportamento não é a pós-verdade de que se fala, que não discute fatos?

A credibilidade da imprensa está baixa. Muitas pessoas diziam: "Não ia votar em você, mas como está batendo na imprensa, vou votar". As pessoas estão se sentindo enganadas. Nós pesquisamos isso, não atacamos de graça.

É um movimento semelhante ao de Donald Trump, nos EUA?

A imprensa não é dona da verdade. O Trump mostrou isso. Ele também sofreu com a imprensa. Os dois são "outsiders", apesar do Crivella ter 12 anos de mandato. No Senado ele é visto assim. Não faz parte de corriola nenhuma.

É a tendência para 2018?

O agravamento da crise econômica eleva as chances dos candidatos de fora do "status quo". Quem vier com o discurso bonitinho, arrumadinho, da câmera está morto. Tenho dúvidas se uma campanha do [governador Geraldo] Alckmin voa, do [presidente Michel] Temer...

Bolsonaro é um "outsider", mesmo sendo deputado há cinco mandatos?

Talvez o maior de todos. Foi sempre um "outsider", como o [Fernando] Gabeira sempre foi. Ele não é do jogo do toma lá, dá cá, dos acordos na madrugada. O Ciro Gomes também é um "outsider". Faz política desde os 23 anos de idade, mas nunca tentou ser politicamente correto.

Um "outsider" pode ter tido carreira política?

O [prefeito eleito de São Paulo] João Doria é mais "outsider" do que o Ciro Gomes? De jeito nenhum. Ele faz encontros anuais e convida a turma do establishment intelectual, financeiro e artístico do Brasil há 20 anos. O Luciano Huck é um "outsider"? Não.

Quem são os amigos do Luciano Huck? Não vai achar que o Roberto Justus é um "outsider"...

O Doria vendeu muito bem que ele é um "outsider". E ele é. Mas a comparação é de quem tem mais condição de romper com o "status quo".

A Marina Silva é uma "outsider".

Marina não tem esse perfil de ir contra o politicamente correto.

Nos Estados Unidos, antes de eles se definirem pelo Trump, um rompimento radical, eles optaram pelo [presidente Barack] Obama, um "outsider" light. Uma tentativa fazer as mudanças no amor. Agora foi na porrada.

Esse perfil não é uma chance do populismo?

É um risco que se corre. Vai depender da sabedoria da população.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para marqueteiro de Crivella, vez é dos outsiders da política - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV