Setenta e cinco porcento dos alimentos cultivados dependem de animais polinizadores sob risco de extinção

Revista ihu on-line

Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

Edição: 510

Leia mais

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Mais Lidos

  • Estamos já em plena ditadura civil?

    LER MAIS
  • Sobre o corporativismo clerical

    LER MAIS
  • James Martin defende que os católicos LGBT não são obrigados a praticar a castidade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

15 Dezembro 2016

Setenta e cinco porcento dos alimentos cultivados dependem em alguma medida da polinização animal, fenômeno que mobiliza mais de 20 mil espécies de abelhas e também outros seres vivos, como moscas, borboletas, mariposas, vespas, besouros, pássaros e morcegos. Apesar do importante papel desempenhado por esses bichos, mais de 40% dos polinizadores vertebrados — e 16% dos vertebrados — estão sob risco de extinção global.

A reportagem foi publicada por ONU Brasil, 14-12-2016.

Os números foram divulgados nesta semana (6) em encontro da 13ª Reunião da Conferência das Partes da Convenção da ONU sobre Biodiversidade — também conhecida como COP13 —, que acontece em Cancún até 17 de dezembro.

“Polinizadores afetam todos nós. A comida que comemos, como frutas e vegetais, nosso café e chocolate, todos dependem dos polinizadores. Contudo, polinizadores estão enfrentando muitos desafios, da agricultura intensiva e pesticidas às mudanças climáticas, que estão colocando muita pressão sobre eles”, explicou o professor da Universidade de Reading no Reino Unido, Simon Potts.

O especialista é um dos principais coordenadores do relatório sobre o tema produzido pela Plataforma Intergovernamental de Ciência e Política sobre Serviços de Biodiversidade e Ecossistemas (IPBES) e que foi discutido na terça-feira.

O valor anual das safras globais que precisam do “trabalho” dos polinizadores é estimado em 577 bilhões de dólares. Sem eles, culturas como as de café, cacau e maçã teriam sua produção drasticamente afetada. Reduções na oferta poderiam aumentar os preços para os consumidores, reduzindo os lucros de fornecedores. Potenciais perdas em dinheiro são calculadas em valores que variam de 160 bilhões a 191 bilhões.

“Serviços de polinização são um ‘insumo agrícola’ que assegura a produção das safras. Todos os fazendeiros, especialmente agricultores familiares e pequenos proprietários em todo o mundo, se beneficiam desses serviços”, ressaltou o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva.

O chefe da agência disse ainda que “aumentar a densidade e diversidade dos polinizadores tem um impacto positivo direto sobre a produção das safras, promovendo consequentemente a segurança alimentar e nutricional”.

Além de participar das cadeias produtivas criadas pelo homem — não apenas as de alimentos, mas também de remédios, fibras como algodão e linho e biocombustíveis —, os polinizadores são responsáveis ainda pela manutenção dos ciclos de vida de quase 90% das plantas silvestres florescentes.

O relatório da IPBES aponta algumas soluções que países podem adotar para proteger esses animais, como a rotação de culturas, o uso de saberes indígenas, a redução do uso de pesticidas, a promoção de práticas sustentáveis e a criação de habitats mais diversos para polinizadores nas paisagens urbanas e rurais.

Acesse a pesquisa aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Setenta e cinco porcento dos alimentos cultivados dependem de animais polinizadores sob risco de extinção