Amoris Laetitia: “Dúvidas suspeitas”. A opinião de um cardeal espanhol

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS
  • Papa Francisco quer incluir 'pecado ecológico' na doutrina oficial da Igreja, após Sínodo da Amazônia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Dezembro 2016

“O Papa expõe preciosamente a natureza do matrimônio cristão como aliança de amor irrevogável. E faz isto como nunca havia sido feito no magistério da Igreja”, opina o cardeal espanhol Fernando Sebastián, a propósito das polêmicas em torno da encíclica papal Amoris Laetitia. O artigo é publicado por Religión Digital, 09-12-2016. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

Alguns insignes senhores sofrem porque não conseguem compreender o que Francisco quis dizer na Amoris Laetitia e querem que seja o próprio Papa quem a explique. Essas “dúvidas” parecem suspeitas, porque o Papa disse o que considerou conveniente com bastante clareza.

Basta ler o documento e desejar compreender. Alguns dizem que são opiniões particulares; outros, que não muda nada; e outros, que muda muito. É preciso ser mais sinceros e um pouquinho mais amplos de mente.

O Papa expõe preciosamente a natureza do matrimônio cristão como aliança de amor irrevogável. E faz isto como nunca havia sido feito no magistério da Igreja.

E, em uma perspectiva muito realista, diz que na sociedade atual pode haver pessoas presas em situações de pecado, pelas quais se arrependem e das quais, em determinado momento, não podem se desprender; e ensina que estas pessoas, se verdadeiramente estão arrependidas, podem receber a absolvição de seus pecados e podem, portanto, receber a comunhão, evitando qualquer escândalo. Se aqueles que duvidam deixarem um pouco as funções e se colocarem a confessar, o compreenderão melhor.

Encontrarão pessoas que sofrem e buscam sinceramente a Deus. Deus as ama, Deus as chama, Deus as espera com sua paz. Como vamos, nós, dispensá-las?

Leia mais

“Tudo o que está na ‘Amoris Laetitia’ foi aprovado por mais de dois terços dos padres sinodais”. Entrevista com o Papa Francisco

Amoris laetitia? Um ponto de não retorno. Entrevista com Martin Lintner

Não importa o que digam, a clareza de Amoris Laetitia permanece elusiva

Amoris laetitia e a compaixão do Deus vivo. Artigo do Patriarca Ecumênico Bartolomeu

Apesar das dúvidas, Amoris Laetitia é clara sobre a misericórdia

“Eu responderia dessa maneira às dúvidas sobre a Amoris Laetitia”

“A Amoris Laetitia não muda uma única vírgula da doutrina; no entanto, muda tudo”, afirma cardeal

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Amoris Laetitia: “Dúvidas suspeitas”. A opinião de um cardeal espanhol - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV