O polêmico prédio de luxo no centro de crise no Planalto

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Vejo um novo comunismo, distante do comunismo histórico, brotar do vírus”. Entrevista com Slavoj Žižek

    LER MAIS
  • Um tempo de grande incerteza. Entrevista com o papa Francisco

    LER MAIS
  • “Uma catástrofe no século XXI, a menos que a humanidade mude subitamente de rumo”. Entrevista com John Bellamy Foster

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Novembro 2016

A queda do ex-ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), acusado de pressionar pela liberação das obras de um prédio onde comprou apartamento em área histórica de Salvador, não encerrou a polêmica que gerou a mais recente crise do governo Temer.


Cada apartamento possui quatro suítes, quatro vagas de garagem e área de 259 m². Foto: Divulgação.

A reportagem é de Ana Maria Simono e publicada por BBC Brasil, 28-11-2016.

Na última sexta-feira (25), a BBC Brasil esteve na região da obra do edifício La Vue Ladeira da Barra e conversou com comerciantes, vizinhos e até um dos proprietários de apartamento no local.

Dois dias antes, a juíza substituta Roberta Dias Nascimento, da 17ª Vara Federal, determinara a paralisação das obras e a suspensão da venda de outras unidades do imóvel.

O prédio, localizado na ladeira da Barra, área nobre de Salvador, ganhou destaque nacional depois que o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero atribuiu sua saída da pasta à pressão feita por Geddel para que intermediasse a liberação das obras pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural), órgão vinculado ao MinC.

Geddel adquiriu um apartamento no local, cujas unidades são estimadas em mais de R$ 2 milhões.A construção do empreendimento havia sido inicialmente autorizada pelo Iphan da Bahia, controlado por um aliado de Geddel. Mas o Iphan nacional, ao qual o órgão estadual está submetido, decidiu embargá-la por causa dos possíveis impactos em bens históricos da época da fundação da capital baiana (século 16) e localizados nos arredores do edifício, como a Igreja de Santo Antônio da Barra e o Forte de São Diogo.

Um deles seria a sombra nos cartões-postais. Os prédios vizinhos têm, no máximo, dez andares.

Dono de um salão de beleza em frente à obra, Levi Gonçalves diz que o edifício, caso seja erguido com 30 andares, conforme o projeto original, será um "elefante branco" que mudará a geografia do local.

"Aqui era uma das casas mais bonitas da Barra, com uma história muito antiga, que simplesmente foi vendida e demolida para construção desse elefante branco, que muda a cara da região", afirmou. "Modificar a cidade apenas para ricos mostrarem que são ricos não ajuda em nada."

Para o corretor de imóveis Denis Cerqueira, que atua na região, a construção, se for erguida legalmente, pode ser "muito boa" para o bairro. "Valoriza bastante um bairro que já é valorizado. Você abre um leque para novos moradores e novos investidores.

"Moradora do bairro há 20 anos, Sonia Ferrari acha que o investimento não se justifica. "A Barra sempre foi meu lugar, mas a Barra não é só dos moradores aqui. Isso aqui está cheio de gente todos os dias. Esse bairro tem que ser conservado. A solução não é fácil, mas, na minha opinião, o bairro não comporta essa obra."

Proprietário de uma unidade no La Vue, o urologista Samuel Juncal disse considerar que Geddel agiu "de boa fé" no caso, que se tornou um "tsunami" pela repercussão.
"Não tenho nada a ver com isso. Adquiri um imóvel que aparentemente tinha todas as autorizações, mas agora está embargado."

A seção baiana do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) entrou com uma ação civil pública contra o Iphan e as construtoras responsáveis após a liberação inicial da obra.

Manifestação

Para Solange Araújo, presidente do IAB-Bahia, a construção é "uma falta de respeito à legislação urbanística de Salvador". "Pode existir um edifício aí, mas ele tem que respeitar os edifícios históricos que são importantes, preservar a memória da cidade", opina.

Em nota, a construtora Cosbat e a Porto Ladeira da Barra Empreendimentos, responsáveis pelo prédio, informaram que as obras e as vendas estão temporariamente suspensas por determinação judicial, mas que toda a documentação que autorizou a obra foi emitida pela prefeitura e pelo Iphan da Bahia.

O atual superintendente do Iphan na Bahia, Bruno Tavares, disse não ter relação com proprietários e construtores do prédio, e atribuiu a polêmica a divergências dentro do próprio Iphan.

"A motivação para que tais divergências tenham acontecido é decorrente de deficiências que a própria instituição possui, principalmente em razão da inexistência de critérios claros de intervenção ou normatização regulamentados para os bens tombados e suas respectivas áreas de entorno, o que ocorre em grande parte dos centros urbanos protegidos pelo Iphan no Brasil", afirmou.

Na última sexta-feira, cerca de 100 manifestantes contrários à obra fizeram um ato em frente ao prédio em Salvador, que seguiu até o prédio em que Geddel mora na capital baiana. Levando cartazes com inscrições como "Calero me representa" e "Geddel tombou", o grupo era formado grande parte por integrantes de sindicatos e partidos de esquerda.

No começo da manifestação, um grupo favorável ao empreendimento, que seria formado por funcionários da obra, levantou cartazes com os dizeres "Queremos trabalhar" e "Liberem a obra". Em carro de som, um deles dizia: "Não estamos aqui com interesse político. As famílias da construção civil querem trabalhar".

O argumento econômico segue a linha do que vem afirmando Geddel e líderes do PMDB. O presidente nacional do partido, senador Romero Jucá (RR), disse neste sábado, por exemplo, que o ex-ministro estava "defendendo a Bahia e Salvador" ao atuar pela liberação da obra.

Diante da intervenção dos funcionários, manifestantes do lado oposto reagiram aos gritos de "Fora Temer" e "Parem de enganar o povo". Apesar dos ânimos exaltados, o grupo favorável a obra acabou deixando o local - mas a polêmica continua.

Prédio

Situado em um terreno de 1.625 m², o projeto prevê uma única torre de 30 andares (107 metros) com vista total para a Baía de Todos os Santos. De acordo com o projeto original, são 24 apartamentos, um por andar, distribuídos em 24 andares. A primeira unidade está situada apenas no sexto pavimento.

Cada apartamento possui quatro suítes, quatro vagas de garagem e área de 259 m². Já a cobertura chega a 450 m² ─ para efeitos de comparação, um imóvel da faixa 1 do Minha Casa Minha Vida, do governo federal, tem 41 m². O preços dos apartamentos variam de R$ 2,5 milhões a R$ 4,7 milhões.

Localizado na Avenida Sete de Setembro, o prédio conta ainda com piscinas, espaço gourmet, brinquedoteca, salão de recepções, sala de jogos e academia de ginástica com vista para o mar.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O polêmico prédio de luxo no centro de crise no Planalto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV