De dez confissões que atendo, quatro envolvem aborto

Revista ihu on-line

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Mais Lidos

  • Presidente do Bradesco enquadra Bolsonaro: não está entregando o combinado

    LER MAIS
  • “O capitalismo está sob séria ameaça”, adverte Raghuram Rajan, economista que previu a crise financeira global

    LER MAIS
  • Um presidente errático em sintonia com frustrações e anseios inconscientes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Novembro 2016

“A decisão do papa Francisco, de estender a todos nós, padres, a autorização para que perdoemos o pecado do aborto, deve ser vista mais como um ato de misericórdia do que como um ato progressista”, afirma José Arnaldo Juliano, padre, professor de Teologia e capelão do Mosteiro da Luz de São Paulo, em depoimento publicado por O Estado de S. Paulo, 22-11-2016.

Eis o depoimento.

A decisão do papa Francisco, de estender a todos nós, padres, a autorização para que perdoemos o pecado do aborto, deve ser vista mais como um ato de misericórdia do que como um ato progressista. Até agora, somente os bispos e alguns confessores por eles designados podiam perdoar esse pecado.

'Quero reiterar com todas as minhas forças que o aborto é um grave pecado, porque põe fim a uma vida inocente', diz o papa Francisco Isso trazia uma grande dificuldade, porque sabemos muito bem que muitas mulheres abortam por decisão dos parceiros ou da família e viviam a angústia de não terem acesso ao perdão. É preciso registrar que o aborto é um crime hediondo e, dada essa gravidade, a Igreja sempre condenou fortemente essa prática. Mas essas mulheres, que muitas vezes se arrependem sinceramente do seu ato, vivem a angústia de uma culpa muito forte e - frequentemente com problemas psicológicos graves - nos procuram com a esperança de receber o perdão de Deus.

Hoje, de dez confissões que atendo, quatro relacionadas ao aborto. Como o padre deveria fazer? Deixá-las desamparadas? Dizer para procurar o bispo? A decisão não é decorrente de um suposto progressismo do papa Francisco - que está apenas cumprindo o que determina o Concílio Vaticano II -, mas de um ato de misericórdia ligado a disposição da Igreja que nos orienta a acolher aqueles que realmente precisam - neste caso, as mulheres.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

De dez confissões que atendo, quatro envolvem aborto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV