Trump escolhe três ultraconservadores para dirigir a Justiça, a CIA e a segurança nacional

Revista ihu on-line

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

Mais Lidos

  • O quadro dramático do Brasil é denunciado pela Sociedade de Teologia e Ciências da Religião

    LER MAIS
  • Seremos líderes ou escravos da Indústria 4.0?

    LER MAIS
  • Preparando a próxima viagem papal à Argentina

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Novembro 2016

Donald Trump começa a definir seu gabinete. Nesta sexta-feira nomeou três políticos leais e controvertidos para postos-chave da novo Executivo dos Estados Unidos, como o conselheiro de Segurança Nacional, o procurador-geral (equivalente a ministro da Justiça) e o diretor da CIA. Para os dois primeiros cargos escolheu o general da reserva Michael Flynn e o senador Jeff Sessions, do Alabama. À frente da agência de inteligência coloca Mike Pompeo, congressista ultraconservador do Kansas, próximo do Tea Party.

A reportagem é de Amanda Mars, publicada por El País, 19-11-2016.

Os três escolhidos têm em comum a fidelidade à figura de Trump ao longo de uma campanha incendiária e encarnam a linha mais dura dos republicanos em relação a questões de segurança e imigração.

Sessions, de 69 anos, é senador desde 1996 e faz parte do comitê jurídico da câmara alta do Congresso dos EUA. É conhecido por sua oposição radical à reforma da imigração promovida por Barack Obama e também por acusações de racismo por parte de um ex-assessor negro nos anos 80, que o impediram de ocupar outros cargos de responsabilidade durante a administração Reagan.

Michael Flynn, por outro lado, foi apontado como possível vice-presidente de Donald Trump, mas o magnata finalmente escolheu Mike Pence. Flynn, de 57 anos, serviu no Afeganistão, foi condecorado e nomeado por Obama para dirigir a Agência de Inteligência da Defesa, mas deixou o cargo depois de várias polêmicas por seus pronunciamentos. Muito parecido com Trump em seu desprezo ao que consideram “politicamente correto”, Flynn fez algumas declarações muito polêmicas nas redes sociais, como quando disse, em fevereiro, que “o medo dos muçulmanos é racional”.

Pompeo, chamado a comandar a CIA, agora preside o Comitê de Inteligência no Congresso e foi membro do grupo que investigou o ataque ao consulado americano em Benghazi (Líbia), em 2012, quando Hillary Clinton era secretária de Estado. Esse processo se tornou uma dor de cabeça para Clinton, embora nenhuma responsabilidade tenha sido encontrada, e também uma linha de ataque permanente durante a campanha.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Trump escolhe três ultraconservadores para dirigir a Justiça, a CIA e a segurança nacional - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV