Francisco: “Que os padres tenham a coragem da pobreza”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A população de rua é um sintoma da necrofilia que vai matando nosso povo”. Entrevista com o Padre Júlio Lancelotti

    LER MAIS
  • Saúde mental, a eterna “loucura” do capitalismo. Artigo de Eduardo Camín

    LER MAIS
  • Ecologia sem transição, coletivo francês defende ruptura ecológica total

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Novembro 2016

As pessoas podem perdoar um sacerdote em tudo, mas não o apego ao dinheiro, nem os maus-tratos. Então, “que Deus nos dê a graça da pobreza cristã”, para que possamos ser sacerdotes como esses operários que “ganham o justo e não pretendem mais”. Foi o que disse o Papa Francisco hoje, 18 de novembro de 2016, pela manhã, durante a missa na Capela da Casa Santa Marta, segundo apontou a Rádio Vaticana.

A reportagem é de Domenico Agasso Jr., publicada por Vatican Insider, 18-11-2016. A tradução é do Cepat.

Diante da presença dos secretários dos núncios apostólicos, que se encontram no Vaticano em razão do Jubileu dos colaboradores e representações pontifícias (organizado pela Secretaria de Estado), o Pontífice refletiu sobre o Evangelho do dia, no qual se lê quando Jesus expulsa os mercadores do templo, transformado em uma “cova de ladrões”.

Cristo “nos faz compreender onde está a semente do anticristo, a semente do inimigo, a semente que arruína seu Reino”. O apego ao dinheiro. O coração apegado ao dinheiro, destacou Bergoglio, “é um coração idólatra” e recordou que Jesus disse que “não é possível servir a dois senhores, a dois patrões”, a Deus e ao dinheiro. E acrescentou que o dinheiro é “o anti-Senhor”, embora possamos escolher: “o Senhor Deus, a casa do Senhor Deus, que é casa de oração. O encontro com o Senhor, com o Deus do amor. E o senhor-dinheiro, que entra na casa de Deus, sempre procura entrar. E estes que intercambiavam o dinheiro ou vendiam coisas, alugavam aqueles postos dos sacerdotes... Alugavam dos sacerdotes, depois informava o dinheiro. Este é ‘o senhor’ que pode arruinar nossa vida e que pode nos levar a terminar mal nossa vida, inclusive sem felicidade, sem a alegria de servir ao verdadeiro Senhor, que é o único capaz de nos dar a verdadeira alegria”.

Trata-se de “uma escolha pessoal”, recordou o Papa, que perguntou aos presentes: “Como é sua atitude com o dinheiro? Estão apegados ao dinheiro?”. “O povo de Deus tem uma grande intuição, tanto para aceitar, no fato de canonizar, como no de condenar – porque o povo de Deus tem capacidade de condenar –, perdoa tantas fraquezas, tantos pecados dos sacerdotes; mas há dois que não pode perdoar: o apego ao dinheiro, quando vê o sacerdote apegado ao dinheiro, não perdoa, ou o maltrato às pessoas, quando o sacerdote maltrata os fiéis. Isto o povo de Deus não pode digerir, e não perdoa. As outras coisas, as outras fraquezas, os outros pecados... sim, não estão bem, mas pobre homem, está só, é isto... e procura justificar. A condenação não é tão forte e definitiva e o povo de Deus sabe compreender isto.

O Pontífice recordou os “terafins”, os ídolos que Raquel, a esposa de Jacó, tinha escondidos: “é triste ver um sacerdote que chega ao final de sua vida, está em agonia, está em coma e os sobrinhos como abutres ali, vendo o que podem unhar. Deem este deleite ao Senhor: um verdadeiro exame de consciência. ‘Senhor, Tu é meu Senhor ou – como Raquel – este ‘terafim’ escondido em meu coração, este ídolo do dinheiro?’. E sejam valorosos, sejam corajosos. Façam escolhas. Dinheiro suficiente, o que tem um trabalhador honrado, a poupança suficiente, o que tem um trabalhador honrado. Mas, o juro não é lícito, isto é uma idolatria. Que o Senhor dê a todos nós, hoje, a graça da pobreza cristã”.

“Que o Senhor – concluiu o Papa – nos dê a graça desta pobreza de operário, daqueles que trabalham e ganham o justo e não pretendem mais”.

Leia mais

“A Igreja deslocou o eixo do Evangelho de Jesus para a religião dos sacerdotes”. Artigo de José María Castillo

Redescobrir o papel dos religiosos e dos leigos, com a mesma dignidade dos sacerdotes

Papa: "Cuidado com os sacerdotes rígidos (mordem!) e na admissão nos seminários”. E aos bispos: “Presentes na diocese, ou então, renunciem!”

“A Igreja não é do Papa, dos bispos, dos sacerdotes, nem sequer dos fiéis, é de Cristo”, prega o Papa Francisco

Francisco aos religiosos: não se apeguem ao dinheiro por causa da diminuição das vocações.

Papa Francisco: "É triste ver na Igreja bispos e padres apegados ao dinheiro"

''Melhor não ter nada'': quando Francisco devolveu as roupas e o dinheiro do pai

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco: “Que os padres tenham a coragem da pobreza” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV