Como comprar um peixinho de aquário pode ajudar a salvar a floresta amazônica

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “A pastoral com as pessoas LGBT deve fazer parte do caminho sinodal”, defende o cardeal de Bolonha

    LER MAIS
  • Os padres das novas gerações e o ‘modelo’ padre Pino Puglisi: uma distância intransponível?

    LER MAIS
  • As origens do termo “gaúcho” e nossas heranças indígenas. A história que não te contam

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Novembro 2016

Compre um peixe, salve uma árvore” é o lema do projeto que o Oceanário de Lisboa começou a apoiar. O objetivo é promover a pesca sustentável de peixes ornamentais na Amazônia.

A reportagem foi publicada por O Observador, 01-11-2016.

As águas do rio Negro, o maior afluente do Amazonas, são escuras, mas escondem um tesouro bem mais colorido: pequenos peixes de cores vibrantes que são comercializados em todo o mundo como peixes ornamentais. Quando os investigadores da Universidade do Amazonas e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia chegaram a esta região queriam estudar as comunidades de peixes, mas depressa perceberam que não o podiam fazer sem incluir também as pessoas que ali habitavam. Agora é o Oceanário de Lisboa que se junta a este projeto.

Mergulhando no interior da floresta amazônica, os investigadores queriam, em 1989, estudar os peixes das zonas alagadas da bacia do rio Negro, no noroeste do Brasil, mas uma das primeiras conclusões a que chegaram é que peixes e humanos tinham um forte impacto na vida um dos outros. Dois anos depois nascia o projeto Piaba, um projeto de conservação da natureza que promove a captura destes pequenos peixes ornamentais.

A ideia até pode parecer contraditória à primeira vista: apanhar peixes para garantir a conservação do ambiente. Os mentores do projeto lembram que 60% dos rendimentos do município de Barcelos, no estado do Amazonas, dependem da captura e venda destes peixes. Quando esta atividade deixa de ser suficiente para a sobrevivência das comunidades locais, as atividades alternativas escolhidas têm um impacto ambiental muito superior: abate de árvores, criação de gado, exploração mineira de ouro e até migração para zonas urbanas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Como comprar um peixinho de aquário pode ajudar a salvar a floresta amazônica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV