México e Brasil, entre os países mais perigosos para jornalistas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Nós nos tornamos um vírus para o planeta”. Entrevista com Philippe Descola

    LER MAIS
  • América Latina. 300 milhões de pobres, ainda em 2020. Destes, 83 milhões na pobreza extrema, segundo a Cepal e OIT

    LER MAIS
  • O projeto católico conservador se esgotou?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: João Flores da Cunha | 19 Outubro 2016

O México é o país onde mais jornalistas foram mortos no mundo em 2016, de acordo com informações da organização não-governamental Repórteres sem Fronteiras. Segundo o barômetro elaborado pela instituição, 12 jornalistas foram assassinados no país latino-americano entre janeiro e outubro. O Brasil, que já registrou quatro mortes de jornalistas neste ano, divide a quarta posição no ranking com o Iraque, estando atrás de Síria (sete mortos) e Iêmen (cinco).

Na América Latina, também registraram mortes El Salvador, Guatemala e Honduras – um jornalista morto, nos três casos. O ranking leva em consideração mortes que ocorreram no exercício da profissão ou por conta da profissão. No total, 47 jornalistas foram assassinados em 2016 até o momento.

No Brasil, as vítimas são Maurício Campos Rosa, que era dono do jornal O Grito, de Santa Luzia (MG), e foi morto com cinco tiros em 17-08; João Miranda do Carmo, do site SAD sem censura, assassinado com 13 disparos em Santo Antônio do Descoberto (GO) em 24-07; Manoel Messias Pereira, que mantinha um blog no sítio Sediverte Notícias, e foi morto com dois tiros nas costas em 9-04 em Grajaú, no interior do Maranhão; e João Valdecir Borba, assassinado na rádio em que trabalhava, em São Jorge do Oeste (PR), no dia 10-03.

Após a morte mais recente, a de Maurício Campos Rosa, a Repórteres sem Fronteiras condenou o crime e pediu que ele fosse investigado. Em um comunicado emitido pela ONG, o diretor para a América Latina, Emmanuel Colombié, assinalou: “Quantos jornalistas assassinados são necessários para que se comece a combater de forma mais sistemática o problema da violência contra os comunicadores no país?”. Ele afirmou ainda que a morte de Maurício “não deve cair no esquecimento, nem permanecer impune, como é infelizmente a regra para grande parte de casos semelhantes na América Latina”.

Um caso recente que ganhou visibilidade no Brasil foi o do repórter cinematográfico Santiago Andrade, que foi morto enquanto fazia a cobertura de um protesto de rua no Rio de Janeiro em fevereiro de 2014. Ele foi atingido por um rojão na cabeça e faleceu em decorrência dos ferimentos.

No ranking de liberdade de expressão elaborado pela Repórteres sem Fronteiras, o Brasil ocupa o 104º lugar, entre 180 países. Em 2002, o país chegou a ficar em 54º, sua melhor posição, mas vem em queda desde então.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

México e Brasil, entre os países mais perigosos para jornalistas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV