Relatório sobre massacres expõe violência e impunidade no México

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Desigualdade entre ricos e pobres é a mais alta registrada no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 14 Outubro 2016

Cidade do México: Um relatório divulgado no dia 9-10-2016 sobre dois massacres perpetrados por membros do cartel Los Zetas no México, entre 2010 e 2011, revelou a escala da violência associada ao narcotráfico nesse país e a incapacidade do Estado mexicano de lidar com ela. Coordenada por Sergio Aguayo, acadêmico do Colegio de México, a pesquisa investiga o massacre de San Fernando, em 2010, e o de Allende, em 2011. O relatório conclui que “o Estado não fez seu trabalho” no esclarecimento dos crimes e no atendimento às vítimas.

Em 2010, 72 imigrantes foram assassinados pelo cartel em San Fernando, no estado de Tamaulipas, no nordeste do país, que faz fronteira com o Texas. Quatro brasileiros estavam entre as vítimas, que buscavam chegar aos Estados Unidos. Essas pessoas foram mortas porque havia rumores à época de que o cartel do Golfo, rival dos Zetas, estava recrutando imigrantes.

No ano seguinte, também por ação do cartel, um número indeterminado de pessoas desapareceu na cidade de Allende, no estado de Coahuila. Oficialmente, foram 42 – embora haja testemunhos de que teriam sido 300 pessoas. O crime contou com a cumplicidade da polícia municipal, que permitiu a ação dos membros do cartel, e foi uma represália à deserção de três integrantes da organização criminosa que eram da região.

Intitulado “No desamparo. Los Zetas, o Estado, a sociedade e as vítimas de San Fernando, Tamaulipas (2010), e Allende, Coahuila (2011)”, o relatório se constituiu como uma tentativa de esclarecer esses crimes, que não foram investigados pelo Estado. A pesquisa contou com o apoio da Comissão Executiva de Atenção às Vítimas (CEAV), órgão ligado ao governo.

Ativista de direitos humanos, Sergio Aguayo faz parte do Centro de Estudos Internacionais do Colegio de Mexico, uma universidade pública. “O México vive assediado pela violência criminosa”, declarou ele.

O cartel Los Zetas, que começou a atuar em 1999, foi formado por soldados que desertaram do Exército mexicano. Tem sua base no estado de Tamaulipas, e é considerado o mais violento do país. No México, os cartéis exercem controle efetivo sobre parte do território e têm influência, mediante propina, sobre políticos e sobre as forças de segurança.

A execução em massa dos imigrantes em San Fernando e os desaparecimentos de dezenas de pessoas em Allende são episódios que pertencem ao cotidiano de um país marcado pela violência extrema e pela incapacidade do Estado de oferecer segurança a seus cidadãos. Segundo o relatório, “os governos municipais foram cúmplices de graves violações aos direitos humanos, o governo de Tamaulipas foi indiferente e o de Coahuila, insuficiente”.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Relatório sobre massacres expõe violência e impunidade no México - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV