Furacão Matthew: 300 mortes apenas no Haiti. O testemunho de um missionário

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A barbárie com rosto humano. Artigo de Slavoj Zizek

    LER MAIS
  • A vida após a emergência do vírus não será a mesma de antes: como mudarão as lojas, escolas, viagens, restaurantes

    LER MAIS
  • ‘Após o coronavírus, o mundo não voltará a ser o que era’

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Outubro 2016

Agrava-se a situação no Haiti depois da passagem do furacão Matthew no Caribe. São 283 os mortos, de acordo com o Ministério do Interior haitiano, mas o valor é provisório e, certamente, deverá aumentar, porque ainda há áreas totalmente isoladas. O vento e a chuva destruíram casas, descobriram telhados e inundaram bairros inteiros. Na República Dominicana, contam-se, por enquanto quatro mortos, mas ainda não há um relatório oficial.

A reportagem é da Agência Fides, 07-10-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O Ir. Jeffrey Rolle, conselheiro geral dos missionários redentoristas, que têm diversas casas e três comunidades no sul no Haiti (duas em Les Cayes e uma em Jérémie), que é a parte mais afetada e ainda sem comunicação, disse à Agência Fides: "Até quinta-feira, era possível chegar àquela área apenas de helicóptero. Recebemos informações do padre Kénol Chéry, superior regional do Haiti, que nos disse que o sul está dividido do resto do país. Eles conseguiram falar poucos minutos ao telefone com os coirmãos de Les Cayes, onde foram registradas inundações, deslizamentos de terra e muitos danos. A igreja paroquial de Château está completamente destruída. Todas as famílias dos coirmãos do sul foram afetadas. Os telhados das casas voaram aos pedaços. Graças a Deus, não registramos mortes ou lesões".

Em algumas áreas do Haiti, os corpos dos que perderam a vida começaram a aparecer somente quando as águas recuaram, quase dois dias depois da passagem de Matthew. É por isso que, em um primeiro momento, o número de mortos parecia muito baixo. O furacão mais violento da última década está se dirigindo agora para a costa dos EUA.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Furacão Matthew: 300 mortes apenas no Haiti. O testemunho de um missionário - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV