Campanha #SalveOBoto: Vítima da ação humana, boto-cinza pode desaparecer em 10 anos

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Equidade de gênero: a religiosidade como caminho para igualdade. Debate com Antje Jackelén, arcebispa primaz da Igreja Luterana da Suécia

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Outubro 2016

Na Lista da Fauna Brasileira de Espécies Ameaçadas de Extinção (Portaria MMA 44417/2014), o boto-cinza sente, a cada dia, o cerco se fechando. Os cerca de 800 exemplares que ainda existem na Baía de Sepetiba (RJ) – local que concentra a maior população de botos-cinza do mundo – estão encurralados de um lado pelo desenvolvimento portuário, industrial e urbano e do outro pela pesca predatória que avança e acaba com os peixes dos quais eles se alimentam.

A reportagem foi publicada por EcoDebate, 03-10-2016.

Como não têm o hábito de migrar, os animais dependem, exclusivamente, do equilíbrio do local onde vivem, e um dos grandes riscos para a sobrevivência do golfinho é a poluição. Com a chegada de grandes indústrias na região portuária da baía – cerca de 450 , os botos sofrem com as concentrações de metais pesados, que afetam seus sistemas imunológicos e hormonais, deixando os animais mais suscetíveis a doenças de pele, ossos.

O rápido crescimento da região também fez com que os botos-cinza e os pescadores artesanais tivessem que disputar espaços de pesca. A baía, que tem 536 Km², abriga três terminais portuários e um estaleiro da Marinha. Os empreendimentos têm direito às chamadas áreas de exclusão, locais onde a atividade pesqueira é proibida. Com isso, os pescadores artesanais são empurrados para a área que os botos-cinza costumam habitar. Em alguns casos, o boto fica preso nas redes de emalhe e não consegue subir à superfície para respirar, quando não se machuca em equipamentos, como anzóis.

Como se não bastassem esses problemas, o boto também disputa comida com os grandes barcos ilegais que cometem pesca predatória na região. Os grandes pesqueiros buscam peixes da cadeia alimentar do boto-cinza, que acabam morrendo por desnutrição. A pesca ilegal também não respeita o período de defeso (quando a pesca é proibida) dos peixes consumidos pelo golfinho.


Infográfico da camapanha #SalveoBoto (Imagem: salveoboto.mpf.mp.br)

Campanha

De 18 setembro a 8 de outubro, o MPF promove a campanha #SalveoBoto, nas redes sociais do órgão, com vídeos, posts e matérias sobre o tema. Realizada em parceria com a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) e o Instituto Boto Cinza, a campanha estimula o uso da hashtag #SalveoBoto com objetivo de mobilizar internautas e organizações a derem visibilidade ao risco de extinção do boto-cinza.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Campanha #SalveOBoto: Vítima da ação humana, boto-cinza pode desaparecer em 10 anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV