Para Francisco, “a memória de um povo” é sempre concreta

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Outubro 2016

Enquanto São Papa João Paulo II concebia a “memória de um povo” em termos de seus grandes pontos de inflexão culturais e de suas personalidades, e Bento XVI a via por meio de lentes intelectuais, Francisco claramente enxerga a “memória de um povo” incorporada nas memórias individuais das pessoas concretas, especialmente os mais velhos.

A reportagem é de John L. Allen Jr., publicada por Crux, 01-10-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Os papas tendem a ser homens idosos, assumindo o papado num estádio da vida em que muitas pessoas se encontram naturalmente inclinadas a olhar para trás e não para o futuro, o que pode ajudar explicar por que cada um dos últimos três papas estiveram, cada um a seu modo, fascinados pelo tema da memória.

Para São João Paulo II, a cura da memória era uma paixão especial, obviamente modelada por sua experiência de ter crescido à sombra de Auschwitz e vivenciado o trauma infligido aos poloneses tanto pelos nazistas como pelos soviéticos.

Como um filho orgulhoso da Polônia, João Paulo II esteve também muito ligado às memórias um povo inteiro – poetas e dramaturgos, santos e místicos, as grandes batalhas e os grandes discursos, todas as personalidades e pontos de inflexão que forneceram a matéria-prima de uma cultura nacional.

Esteve entre os seus dons especiais o incentivar as pessoas ao redor do mundo a apegarem-se às suas memórias assim como ele era apegado às memórias de seu país de origem.

Para Bento XVI, a memória assume uma moralidade diferente. De formas diferentes, Bento é menos filho da Alemanha do que o é da cristandade, e a memória com a qual ele mais se preocupa pertence à Europa.

Particularmente, em várias ocasiões Bento advertiu ao longo dos anos que uma Europa desligada de seu passado – isto é, da sua identidade cristã, sim, mas também do legado filosófico e cultural da razão – é uma Europa que corre risco.

Isso tudo nos leva ao Papa Francisco, que esteve nestes últimos dias na região do Cáucaso visitando a Geórgia e o Azerbaijão, depois de ter estado na Armênia em junho.

Esta região, afinal de contas, é uma área do mundo onde a memória é ubíqua.

Da mesma forma como acontecia com João Paulo II e Bento XVI em suas viagens, Francisco tem incentivado os povos a valorizar as suas “memórias enquanto povo”, tanto como um serviço à nação como também um baluarte da fé cristã da Geórgia.

Como declarou Francisco no sábado à noite em uma visita à Catedral Patriarcal de Svietyskhoveli: “A queda do povo começa no ponto onde acaba a memória do passado”, ao citar o poeta georgiano do século XIX Ilia Chavchavadze.

Francisco trouxe presente o tema da memória em uma sessão com a pequena comunidade de padres, religiosos/as e seminaristas no sábado, juntamente com representantes dos leigos e jovens. Francisco não tinha textos preparados para a sessão.

Sentou-se a escutar, com atenção, as quatro perguntas que lhe fizeram, em alguns momentos ele tomou nota e sublinhou passagens em particular.

Em seguida, o líder católico ficou mais de meia hora falando de improviso.

Ao ser perguntado por um padre armênio, que havia mencionado a importância de valorizar as “memórias do passado”, Francisco contou uma história ocorrida em sua ida à Armênia em junho.

“Acabada a missa, convidei [um bispo] a subir para o papamóvel (…) e também trouxe o bispo da Igreja Apostólica Armênia, da mesma cidade. Éramos três bispos: o Bispo de Roma, o Bispo Católico de Gyumri e o Bispo Armênio Apostólico. Os três juntos: uma boa salada de fruta!”, brincou.

Francisco descreveu o momento em que desceu do papamóvel e que foi em direção a uma senhora idosa espremida contra uma barreira na tentativa de vê-lo. Disse que ele se aproximou para cumprimentá-la, e a mulher contou que veio da Geórgia e que havia passado oito horas andando de ônibus, tudo para vê-lo. Francisco lembrou que ela usava um dente de ouro.

No dia seguinte, disse o papa, ele estava num outro evento e avistou a mesma mulher. Aproximou-se e disse: “Veio de novo?”, disse, e ela respondeu: “Sim, por causa da minha fé”.

“Olhem o testemunho que deu esta mulher. Ela acreditava que Jesus Cristo, Filho de Deus, deixou Pedro na terra e ela queria ver Pedro (…). Ela humilde senhora estava disposta a passar oito horas num ônibus (...)”, falou. “Então, resumindo, para estar firmes na fé é preciso ter memória do passado, coragem no presente e esperança no futuro (…) Manter viva a memória do passado, a história nacional e ter a coragem de sonhar e construir um futuro luminoso”.

Em outras palavras, o que Francisco ressalta é que a “memória de um povo” jamais é uma abstração – ela compõe-se de memórias e experiências específicas alojadas nas pessoas concretas, de carne e osso, e portanto “manter viva a memória do passado” tem a ver, em grande parte, com ouvir estas histórias e prestar respeito por sua sabedoria.

Como fez várias vezes neste ponto em suas sessões de improviso, Francisco aqui também salientou a importância dos idosos, convocando os jovens a cultivar fortes laços com os avós, e ressaltou a importância das “mães e avós” como pessoas que carregam tanto a memória como a cultura de um povo.

“Uma planta sem raízes não cresce”, disse o papa. “Uma fé sem a raiz da mãe e da avó não cresce”, completou.

Essas memórias pessoais passadas em momentos singulares, acrescentou o pontífice, são “a água fresca da fé”.

Em outras palavras, para o papa a preservação da memória é um dever, sim, e, em parte, tem a ver com grandes figuras e momentos culturais, assim como com os últimos conhecimentos desenvolvidos numa tradição intelectual, artística e literária particular.

O papa provavelmente concordaria em que, se se quer encontrar a “memória de um povo”, uma forma de conseguir isso é indo à livraria, a uma ópera, ou mesmo perambulando pelas ruas das grandes cidades perguntando-se sobre suas estátuas e monumentos.

Por outro lado, Francisco provavelmente mostrar-se-ia também inclinado a buscar a memória do povo georgiano nos georgianos particulares que ele encontra – incluindo, como se vê, uma simples georgiana octogenária com um dente de outro e uma determinação sólida como uma rocha para ver um papa.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para Francisco, “a memória de um povo” é sempre concreta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV