Número de votos em branco, nulos e abstenções dispara em Porto Alegre

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Maria Madalena, a primeira testemunha da Ressurreição

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Outubro 2016

As urnas revelaram um crescimento vertiginoso no número de votos em branco, nulos e de abstenções em Porto Alegre, em um sinal de insatisfação popular com a classe política. A quantidade de votantes que se recusaram a escolher um candidato chegou a 382,5 mil eleitores — cifra mais alta do que a alcançada pelo primeiro colocado, Nelson Marchezan, que contabilizou 213,6 mil votos.

A reportagem é de Marcelo Gonzatto, publicada por Zero Hora, 03-10-2016.

Isso representa 34,8% do eleitorado. A soma de brancos e nulos disparou 69% em comparação com a eleição de 2012. Na primeira rodada de votação de quatro anos atrás, 9,4% dos eleitores anularam o voto ou abdicaram de indicar um nome para governar a cidade. Agora, esse percentual (calculado sobre os votos computados, excluídas as abstenções) saltou para 15,9%.

O contingente de pessoas que nem mesmo compareceram à seção eleitoral também cresceu, embora em proporção um pouco menor: somou 18,5% do universo de eleitores há quatro anos e 22,5% agora (salto de 21,6%). Na avaliação do cientista político e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Gustavo Grohmann, a explosão de votos inválidos e de ausentes deve ser interpretada como mais um aviso para os políticos em geral:

— Isso diz que há um número muito grande de pessoas que não se interessam pelo que está aí. A população está dizendo que não vê alternativas ou não se interessa pelas opções existentes.

Para o especialista, as sucessivas denúncias de corrupção veiculadas nos últimos anos ajudaram a ampliar o desgaste entre o povo e seus representantes.

— A corrupção é o que está na pauta da disputa política hoje. Não se debate mais sobre pauta nacionalista ou internacionalista, desenvolvimentismo ou austeridade, mas quem é mais ou menos corrupto. Voltamos ao ponto de avaliar qualidades individuais — observa Grohmann.

O cenário não é muito diferente do registrado em outras importantes capitais. Em São Paulo, os números indicavam 16,6% de brancos ou nulos e 21,8% de abstenção.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Número de votos em branco, nulos e abstenções dispara em Porto Alegre - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV