Francisco a Elias II: não coloquemos em primeiro plano as divisões

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal: a primeira pergunta que Deus faz não é sobre orientação sexual, mas sobre o cuidado com os pobres

    LER MAIS
  • Cardeal espanhol: ‘O comunismo marxista … renasceu’ no país

    LER MAIS
  • O silêncio dos teólogos. Custódia da comunhão e medo cúmplice

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Outubro 2016

“Apesar dos nossos limites e para além de qualquer distinção histórica e cultural sucessiva, somos chamados a ser ‘um só em Cristo Jesus’ e a não colocar em primeiro lugar as discórdias e divisões entre os batizados”. Ao lado do Papa Francisco, na antiga catedral patriarcal de Svetyskhoveli, em Tbilisi, está Elias II, patriarca georgiano. É o último dia da visita à Geórgia, mas também o dia do cancelamento da anunciada participação de uma delegação ortodoxa na missa celebrada pelo Papa no estádio da cidade. Uma decisão que foi comunicada no dia anterior e provocada pelas polêmicas entre os grupos conservadores no seio da Igreja ortodoxa georgiana.

A reportagem é de Andrea Tornielli,  publicada por Vatican Insider, 01-10-2016. A tradução é de André Langer.

No centro espiritual da Igreja georgiana, um prédio cuja forma atual tem mil anos e que domina a cidade do alto da colina, o Papa foi acolhido pelo Elias II, que foi receber o seu hóspede na entrada. Os dois líderes religiosos entraram juntos, dando-se as mãos, enquanto um coro cantava um canto tradicional. Nota-se a enfermidade e o sofrimento do Patriarca. Francisco e Elias pararam para rezar em silêncio diante da edícula de Santa Sidônia, onde, segundo a tradição, foi sepultada a santa com a preciosa túnica do Crucificado. Duas velas votivas foram acesas.

O Patriarca saudou Bergoglio e deu-lhe as boas-vindas “à mais antiga e importante igreja georgiana”, que guarda “a relíquia da túnica de Jesus”. Recordou a decapitação de “100 mil cristãos” em Tbilisi porque se negaram, “no século XIII, a pisar os ícones”. “Nossa unidade – concluiu – encontra-se na verdadeira fé e somente a verdadeira fé educa a humanidade. Gostaria de manifestar novamente, Santidade, meu profundo apreço e o amor fraterno para com você”.

Francisco, ao tomar a palavra, agradeceu aos ortodoxos georgianos por seu “comovente testemunho de fé, que tanto bem me fez. Também quero agradecer-lhes pelo coração bom dos georgianos”. “A história da Geórgia é como um livro antigo que, em cada página, fala de testemunhas santas – continuou o Bispo de Roma – e de valores cristãos, que forjaram a alma e a cultura do país. De igual modo este precioso livro narra gestas de grande abertura, acolhimento e integração. São valores inestimáveis e sempre válidos para esta terra e toda a região, tesouros que exprimem bem a identidade cristã, que se mantém como tal quando permanece bem fundada na fé e, ao mesmo tempo, se mostra aberta e disponível; nunca rígida ou fechada”.

“A mensagem cristã – continuou o Papa – (este lugar sagrado no-lo recorda) foi, ao longo dos séculos, o pilar da identidade georgiana: deu estabilidade no meio de muitos tumultos, mesmo quando – não raro, infelizmente – o destino do país foi o de ficar amargamente abandonado a si mesmo. Mas o Senhor nunca abandonou a amada terra da Geórgia”. Francisco, em seguida, referiu-se à relíquia mais preciosa que a igreja guarda: “A proximidade terna e compassiva do Senhor está aqui representada, de modo particular, pelo sinal da túnica sagrada”, que representa um “mistério de unidade” e “exorta-nos a sentir uma grande amargura pelas divisões que se foram consumando entre os cristãos ao longo da história: são verdadeiras e concretas lacerações infligidas na carne do Senhor”.

“Portanto – continuou Francisco –, apesar dos nossos limites e para além de qualquer distinção histórica e cultural sucessiva, somos chamados a ser ‘um só em Cristo Jesus’ e não a colocar em primeiro lugar as discórdias e divisões entre os batizados, porque verdadeiramente é muito mais o que nos une do que aquilo que nos divide”.

“Que as esplêndidas riquezas deste povo – concluiu o Pontífice – sejam conhecidas e apreciadas; que possamos, para enriquecimento comum, partilhar cada vez mais os tesouros que Deus dá a cada um e ajudar-nos mutuamente a crescer no bem. Possam a fraternidade e a colaboração crescer em todos os níveis; possam a oração e o amor fazer com que acolhamos cada vez mais o intenso desejo do Senhor a propósito de todos os que n’Ele creem por meio da palavra dos Apóstolos: que sejam ‘um só’”.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco a Elias II: não coloquemos em primeiro plano as divisões - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV