Politizada, Lava Jato chega perto do fim sem resultado claro, diz revista

Revista ihu on-line

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Mais Lidos

  • O arcebispo do povo, entre oração e bicicleta

    LER MAIS
  • CNBB estimula Jornada de Oração e Jejum pelo Brasil por ocasião do Dia da Pátria

    LER MAIS
  • O país da Casa-grande

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

29 Setembro 2016

A mesma revista estrangeira que colocou o juiz Sérgio Moro em sua capa vestido de ''caça-corrupto'', em alusão ao filme ''Os Caça-Fantasmas'', agora publica uma análise crítica e aprofundada dos caminhos tomados pela Operação Lava Jato, e vê a aproximação de um fim imprevisível para ela.

Segundo a avaliação da ''Americas Quarterly'', a investigação se tornou politizada, e é impossível prever onde ela vai acabar.

A informação é publicada por Daniel Buarque, jornalista e escritor, em seu blog, 29-09-2016.

Segundo Brian Winter, editor da publicação que escreveu a ampla análise, a politização da Lava Jato ocorreu mais por necessidade do que por ser parte do plano da investigação.

''Diria que a politização do caso é exatamente o que permitiu que ela progredisse até onde foi sem ser interrompida por seus inimigos. Perversamente, também é o que vai começar a levar a investigação a seu fim, provavelmente nos próximos meses'', diz.

Em sua avaliação, o processo cresceu por ter surfado na perseguição a políticos corruptos em um momento em que a população apoiava o caso e se mostrava insatisfeita com os governos. Isso permitiu a Lava Jato ter um alcance inédito e deu força e popularidade para que ela não fosse atrapalhada pelos políticos.

Os últimos encaminhamentos desse processo, entretanto, podem ter se tornado passos em falso, diz. A estratégia parece ter exagerado na politização no processo contra o ex-presidente Lula, que se desencadeou em críticas mais forte à operação, na tentativa do Congresso de mudar a lei contra caixa-dois de campanha e em novos erros no pedido de prisão de Guido Mantega.

''É difícil não ter a sensação de que a tendência da Lava Jato é perder força'', diz.

Segundo Winter, a Lava Jato poderia ter material para processar todo o sistema político, mas provavelmente vai focar apenas em que acredita serem os líderes do esquema de corrupção.

''Isso é justo? Não, não é. Mas não é uma tática política – é uma tática investigativa clássica'', diz. ''Também pode ser a estratégia para que a Lava Jato tenha chances de deixar um legado forte e intacto''.

''Mesmo se a Lava Jato não tiver um final de hollywood, a investigação mudou para sempre a cultura de impunidade no Brasil'', defende.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Politizada, Lava Jato chega perto do fim sem resultado claro, diz revista