Banco Mundial: América Latina tem água em abundância, mas não saneamento

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • A quem interessa a onda de intolerância religiosa que sacode o Brasil?

    LER MAIS
  • Amplia-se a distância entre Francisco e a Igreja dos EUA: papa envia Parolin em missão

    LER MAIS
  • Antes era melhor? Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Setembro 2016

Apesar dos avanços feitos na região, 106 milhões de pessoas ainda não dispõem de banheiro em casa.

A América Latina é a região com mais água doce no planeta: Brasil, Colômbia e Peru figuram entre os 10 países com a maior quantidade de recursos hídricos. Mas nem todos os cidadãos podem usufruir deles.

A reportagem é de Mariana Ceratti, publicado por Banco Mundial, 22-09-2016.

Segundo dados do Banco Mundial, 20% da população ainda não conta com saneamento melhorado, que, de forma higiênica, separa os dejetos humanos do meio ambiente.

Banheiro

Apesar dos avanços sociais e econômicos da última década, 106 milhões de latino-americanos ainda não dispõem de banheiro em casa. Além disso, 34 milhões não têm acesso constante a água potável.

Outro dado preocupante do Banco Mundial é que mais de 70% das águas são despejadas sem tratamento nos rios e oceanos da região.

As estatísticas dão uma ideia do desafio que será alcançar o sexto Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas. O ODS 6 busca, até 2030, proporcionar acesso universal e equitativo à água potável, a um preço acessível a todos.

Atualmente, 91% da população global tem acesso a uma fonte de água potável melhorada, ou seja, protegida da contaminação fecal e química.

Em 1990, eram 76%. Mas ainda restam ao menos 1,8 bilhão de pessoas que usam uma fonte de água contaminada com matéria fecal.

Estresse hídrico

O ODS 6 também tem como meta pôr fim à defecação ao ar livre e oferecer saneamento a todas as pessoas. Em todo o mundo, 2,4 bilhões de pessoas carecem desse serviço.

O estudo “Indicadores de Desenvolvimento 2016”, do Banco Mundial, calcula que a economia global perde cerca de US$ 250 bilhões por ano pela falta de serviços adequados de água e saneamento.

Outro desafio apontado pelo relatório está na disponibilidade de recursos hídricos em todo o planeta. Ela caiu pela metade nos últimos 50 anos, enquanto a demanda por água só aumentou.

Enquanto a América Latina ainda tem água em abundância, o Oriente Médio e Norte da África e o Sul da Ásia são as regiões mais carentes desse recurso. Nelas, há menos de 1.700 metros cúbicos disponíveis por pessoa ao ano, o que as coloca em estado de estresse hídrico.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Banco Mundial: América Latina tem água em abundância, mas não saneamento

##CHILD
picture
ASAV