Eutanásia de um menor: a condenação dos bispos belgas

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Setembro 2016

Pela primeira vez na Bélgica, foi possibilitada a aplicação da lei que permite que um menor de idade, portador de uma doença terminal e com sofrimentos considerados insuportáveis, peça para morrer com a ajuda de um médico. Assim, reiniciaram as polêmicas que tinham explodido no país em 2014, quando o Parlamento de Bruxelas estendeu a eutanásia até para as crianças.

A reportagem é de Ivo Caizzi, publicada no jornal Corriere della Sera, 18-09-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O jornal de língua flamenga Het Nieuwsblatt revelou que o menor morreu nos Flandres "em silêncio e na mais absoluta discrição". As informações relatadas mantiveram o máximo sigilo sobre o nome e sobre outros detalhes (a doença terminal e o nível dos sofrimentos).

O responsável do Comitê Federal para o Controle e a Avaliação da Eutanásia, Wim Distelmans, confirmou o que havia sido antecipado pelo jornal flamengo e acrescentou que o doente tinha 17 anos. Distelmans declarou que, "felizmente, existem apenas poucos casos de crianças que são levadas em consideração, mas isso não significa que devemos lhes recusar o direito a uma morte digna". Nesse caso, acrescentou, "o menor sofria de dores físicas insuportáveis. Os médicos usaram sedativos para induzir o coma".

O presidente da Conferência Episcopal Italiana, Angelo Bagnasco, afirmou que o que aconteceu na Bélgica "nos entristece e nos preocupa". Bagnasco recordou que o Papa Francisco também reiterou várias vezes que "a vida é sagrada e deve ser acolhida sempre".

O líder do partido Area Popolare na Câmara italiana, o ex-ministro Maurizio Lupi, comentou via Twitter que "Herodes está de volta", lançando o alerta sobre um novo "massacre dos inocentes". O deputado do Partido Democrático Edoardo Patriarca disse que o que aconteceu na Bélgica "nos deixa de boca aberta" e pediu que o Parlamento Europeu intervenha "porque, sobre temas como a vida e a morte, não pode haver diferenças substanciais entre os países da União Europeia". Ao contrário, os radicais foram favoráveis, desde sempre promotores e defensores da eutanásia, como demonstraram na campanha para permiti-la a Piergiorgio Welby.

A Holanda também introduziu a possibilidade para que menores com doenças terminais e geradoras de sofrimentos insuportáveis possam morrer com a ajuda de um médico, mas apenas se tiverem mais de 12 anos. A proteção da privacidade, no entanto, não permite confirmações oficiais sobre os poucos supostos casos assumidos e sobre as exceções de fato ao limite de idade permitido aos recém-nascidos.

Há dois anos, a Bélgica provocou alvoroço no mundo precisamente porque – depois de 11 anos desde a aprovação da eutanásia para os adultos – eliminou toda restrição de idade justamente para incluir as crianças.

A medida provocou conflitos e polêmicas entre os políticos do país, que, em sua grande maioria, é de maioria católica, tanto nos Flandres quanto na Valônia francófona. A lei foi aprovada no Parlamento porque os partidos locais dão liberdade de voto. A poderosa Igreja Católica belga tentou, inutilmente, combater a aprovação de todos os modos.

Os representantes das outras comunidades religiosas (protestante, muçulmana, judaica, ortodoxa) se uniram de modo compacto em apoio ao Vaticano. Foi contida, ao contrário, a reação da população durante o debate parlamentar, porque os belgas mantêm uma tradição de respeito pelas liberdades individuais dos outros, para além das próprias convicções pessoais.

A eutanásia de crianças é regulada com controles e restrições destinados a avaliar apenas situações extremas e sempre com a aprovação dos pais. O menor deve exprimir o seu consentimento com a ajuda de um psicólogo.

Leia mais:

Eutanásia para crianças: o Parlamento belga diz ''sim''

A chocante lei da Bélgica que autoriza a eutanásia para crianças

Projeto de lei que legaliza eutanásia de crianças divide Bélgica

Medalhista de prata no Rio: “Ainda não chegou a hora da minha eutanásia”

Antes da eutanásia, jovem faz festa de dois dias com música, filme e pizza

Bélgica, 2.000 casos de eutanásia por ano: "Está se tornando uma morte como as outras"

Eutanásia e suicídio assistido não são a mesma coisa

Eutanásia: a caixa de Pandora das liberdades individuais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Eutanásia de um menor: a condenação dos bispos belgas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV