A força destrutiva da seca

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Bancos vão ficar com 62% da renda do trabalhador se capitalização for aprovada

    LER MAIS
  • A democracia representativa está esgotada. Entrevista com Jean Ziegler

    LER MAIS
  • O pessoal é digital. Artigo de Slavoj Žižek

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Setembro 2016

O papel da seca na queda da antiga civilização maia destaca a necessidade vital hoje para a gestão da água no combate aos impactos das mudanças climáticas.

A repostagem é de Tim Radford, publicado por Eco21, 12-09-2016.

A civilização maia no que é hoje o México morreram mais de mil anos atrás, não apenas por causa da seca, mas talvez por causa da dependência exagerada da água nos reservatórios .

A história da ascensão e queda de civilizações antigas tem ressonância para hoje. E pesquisadores da Universidade de Tecnologia de Viena, na Áustria, que modelaram o que eles calculam deve ter sido o padrão de eventos, confirmaram, mais uma vez, que a seca prolongada, provavelmente, trouxe uma cultura e um povo a entrar em colapso.

Mas, advertem: a história não é simples. Os maias, de certa forma, podem ter sido vítimas de seu sucesso no enfrentamento à seca. A sua própria tecnologia de irrigação os pode ter feito mais vulneráveis em um momento de crescimento da população e de seca prolongada. “A sociedade influências de água e da sociedade influencia água”, diz Linda Kuil, uma sóciohidróloga do Centro de Sistemas de Recursos Hídricos em Viena e principal autora de um estudo publicado na revista Water Resources Research.

Resposta à seca

“O fornecimento de água determina quanta comida está disponível, de modo que por sua vez afeta o crescimento das populações. Por outro lado, o aumento da população pode interferir com o ciclo natural da água, por exemplo, através da construção de reservatórios”.

Ela e seus colegas estabelecidos para modelar não apenas chuvas, mas o padrão de resposta de uma sociedade à precipitação e à seca. Eles não foram os primeiros a fazê-lo. Seca e as mudanças climáticas  têm sido associadas ao colapso do império assírio 2.700 anos atrás, e ao desastre que se abateu sobre os governantes da Idade do Bronze do Mediterrâneo oriental.

Mudanças climáticas têm sido associadas à tomada do império chinês e ao avanço das hordas mongóis no Século 13.

E a mudança climática também tem sido implicada no conflito moderno. Mas, civilizações europeias e asiáticas caíram deixaram testemunhos na forma de registros escritos ou mitologia duradouro. Os maias deixaram apenas suas estruturas de pedra em Yucatan no México como prova de que tinha sido aqui.

A água na torneira

Os pesquisadores de Viena pensam que o povo maia lidou com a seca através da construção de reservatórios para ajudá-los ao longo da crise.  Se espera que as populações poderiam diminuir em uma seca, mas continuaria a crescer se a água fosse na torneira. Paradoxalmente, isso pode introduzir vulnerabilidade: se a população cresce, mas o sistema de gestão da água permanece o mesmo, então um período de seca prolongada poderia ser devastador. E isso, os pesquisadores acreditam, poderia ser suficiente para explicar o declínio. O seu próprio modelo oferece o que eles chamaram de “feedbacks plausíveis” entre a sociedade e os recursos hídricos que se acredita estar a gerir, para mostrar que uma redução modesta das chuvas pode levar a um colapso da população de 80%.

“Quando se trata de recursos escassos, as soluções mais simples podem vir a ser superficiais e nem sempre as melhores”, diz Kuil. “Você tem que mudar o comportamento das pessoas, reavaliar a dependência da sociedade sobre este recurso e reduzir o consumo, caso contrário, a sociedade pode, de fato, ser mais vulnerável a catástrofes em vez de mais segura, apesar destas soluções técnicas inteligentes”. 

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A força destrutiva da seca - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV