Dilma. Artigo de Lúcia Ribeiro

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco conclui o texto sobre o Sínodo amazônico; publicação deve sair em poucas semanas

    LER MAIS
  • Celibato dos padres, Papa Francisco: com Ratzinger o caso está encerrado. Eugenio Scalfari relata seu encontro com o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Padres casados ​​e diáconas. Os bispos alemães aceleram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Setembro 2016

"'Libertas quae sera tamen'. A liberdade virá, ainda que tardia. Mas virá!”, escreve Lucia Ribeiro, socióloga.

Eis o artigo.

Tempo nublado e cinzento. Tristonho, como convém aos dias depois do impeachment / golpe. Porque o que acabamos de viver, nas ultimas horas, nos tocou profundamente. E talvez não tenhamos ainda a necessária lucidez para compreender o alcance de tudo o que se passou, no entrecruzamento de diversos níveis.

Tocou-me especialmente a dimensão pessoal; Dilma apresentou-se, nestes momentos tão difíceis, como uma mulher fundamentalmente correta, competente e incrivelmente corajosa. Não por acaso, em seu discurso de posse como primeira presidenta mulher, tinha citado Guimarães Rosa: “o que a vida quer de nós é coragem”. E esta não lhe falta. Como não lhe faltou nos tempos terríveis da repressão, quando foi presa e torturada.

Agora, enfrenta um novo tipo de repressão, talvez mais profunda porque mais sutil, envolta em um jogo com aparências de legalidade. Mais uma vez impressiona sua coragem e sua inteireza moral. Em um mundo marcado pela corrupção e por falsidades de diversas ordens, Dilma traz um discurso direto e franco. E talvez tenha sido esta grandeza humana que, no final do julgamento - quando o PT solicitou que não fossem cassados seus direitos políticos – impressionou seus juízes. Surpreendentemente, 16 senadores e senadoras, que anteriormente tinham votado a favor do impeachment, foram contra a cassação ( sem falar nas três abstenções.)
Na hora, tomada pelo inesperado, valorizei a dimensão humana do gesto: na tentativa de amenizar a pena, estava implícito o reconhecimento de sua inadequação. Entretanto, o enorme debate que brotou nas horas subsequentes veio mostrar que a questão era muito mais complexa, involucrando desde a tentativa de aplacar a má-consciência até interesses escusos em abrir precedentes para casos futuros ... Não quero entrar nesta discussão.

Prefiro recuperar a figura de Tiradentes – à qual alguém fez alusão, naquele momento – não para comparar graus de crueldade, mas por que nos ensina a paciência histórica de continuar lutando pela liberdade. Para mulheres que, como Dilma e tantas de nós, nascemos em Minas, seu exemplo é paradigmático e nos abre uma perspectiva de esperança, em uma luta longa e difícil. “Libertas quae sera tamen.” A liberdade virá, ainda que tardia. Mas virá!

Leia mais...

Sobre vencedores e vencidos: uma reflexão oportuna e importuna

"Anistia" a Dilma mantém pressão contra Temer no TSE

Golpe de 1964 e de 2016: o mesmo golpe de classe

O Brasil sob o golpe: seis hipóteses polêmicas

O Brasil sob o golpe: seis hipóteses polêmicas (II)

Em defesa da vida: a Igreja e a questão do aborto. Entrevista especial com Lúcia Ribeiro

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dilma. Artigo de Lúcia Ribeiro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV