Jornal vaticano diz: “Amoris Laetitia” é ensinamento católico válido

Revista ihu on-line

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Mais Lidos

  • "No Brasil, há corpo mole em relação ao Papa Francisco, mas não discordância pública". Entrevista com Jose Oscar Beozzo

    LER MAIS
  • Teologia da libertação: a Igreja resiste a Francisco

    LER MAIS
  • Papa inicia viagem ao Chile com visita surpresa ao 'bispo dos pobres'

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Agosto 2016

A exortação apostólica do Papa Francisco sobre a família é um exemplo do “magistério ordinário” – ensinamento papal – ao qual os católicos estão obrigados a conceder “religiosa submissão da vontade e da inteligência”, diz um artigo publicado no jornal do Vaticano.

A reportagem é de Cindy Wooden, publicada por Catholic News Service, 23-08-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

O Pe. Salvador Pie-Ninot, famoso professor de eclesiologia, disse que, embora o Papa Francisco não tenha invocado a sua autoridade magisterial “em modo definitivo” no documento, este cumpre todos os critérios para ser um exemplo do “magistério ordinário” ao qual os membros da Igreja devem responder com “a atitude básica de aceitação sincera e implementação prática”.

O artigo do sacerdote espanhol publicado na edição de 23 de agosto do jornal L’Osservatore Romano é uma resposta a dúvidas levantadas sobre o peso formal do documento papal Amoris Laetitia (A Alegria do Amor). Por exemplo, em várias ocasiões o cardeal americano Raymond Burke disse que o documento é uma “mistura de opinião e doutrina”.

Pie-Ninot afirma que analisou o documento à luz da instrução de 1990 emitida pela Congregação para a Doutrina da Fé a respeito da vocação do teólogo.

Essa instrução – emitida pelo então cardeal Joseph Ratzinger, hoje Papa Emérito Bento XVI – explica três níveis de ensinamento da Igreja com os níveis correspondentes de adesão cada um que exige. Os níveis mais altos são: pronunciamentos infalíveis, que exigem uma adesão da fé como sendo divinamente revelada; e o ensinamento que propõe “em modo definitivo verdades que tocam questões de fé ou de costumes que, mesmo não sendo divinamente reveladas, são porém estreita e intimamente conexas com a Revelação, estas devem ser firmemente aceitas e conservadas”.

De acordo com a instrução, um ensinamento é um exemplo de magistério ordinário “quando o Magistério, mesmo sem a intenção de emitir um ato ‘definitivo’, ensina uma doutrina para ajudar a uma compreensão mais profunda da Revelação e daquilo que melhor explicita o seu conteúdo, ou para evocar a conformidade de uma doutrina com as verdades de fé, ou enfim para prevenir contra concepções incompatíveis com estas mesmas verdades, é exigida uma religiosa submissão da vontade e da inteligência”.

Amoris Laetitia cai dentro da terceira categoria, diz Pie-Ninot, acrescentando que a afirmação da instrução de 1990 de que exemplos de magistério ordinário podem ocorrer quando o papa intervém “em questões sob discussão que envolvam, além de princípios sólidos, certa contingência e elementos conjunturais”.

A instrução observa que “com frequência, somente depois de um certo tempo se torna possível distinguir entre aquilo que é necessário e aquilo que é contingente”, embora, conforme diz o sacerdote espanhol, a instrução insista que, mesmo assim, deve-se supor que uma “assistência divina” foi dada ao papa.

A aceitação de Amoris Laetitia como um ensinamento católico válido, conclui Pie-Ninot, aplica-se também às “palavras mais significativas” do documento sobre a possibilidade de pessoas divorciadas e recasadas sem anulação receberem a Comunhão em circunstâncias limitadas.

Leia mais...

Signatários de documento crítico à "Amoris laetitia" são revelados

Christoph Schönborn: “É claro que a ‘Amoris Laetitia’ é um ato do magistério”

O que alguns teólogos não compreendem da Amoris Laetitia

Descobrindo a "Amoris laetitia": por que eu discordo do cardeal Caffarra e concordo com o cardeal Schönborn. Artigo de Andrea Grillo

Descobrindo a "Amoris laetitia": três meses para um início da recepção. Artigo de Andrea Grillo

Amoris laetitia. "É evidente que se trata de um ato de magistério! Ele se coloca no nível concreto da vida de cada um". Entrevista com Christoph Schönborn

Amoris Laetitia e a ‘ética do possível’. Limites e possibilidades de um documento sobre ‘a família’, hoje. Revista IHU On-Line n. 483.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Jornal vaticano diz: “Amoris Laetitia” é ensinamento católico válido - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV