Raízes cristãs e defesa da República contra o multiculturalismo. Entrevista com Philippe Portier

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Irreverência

    LER MAIS
  • Uma prova do conclave. O próximo papa assumirá o nome da Comunidade de Santo Egídio

    LER MAIS
  • “Eu estou tirando Deus da Bíblia”. Entrevista com Marc-Alain Ouaknin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Agosto 2016

A discussão sobre o burkini, vetado por quase 20 prefeitos nos litorais franceses, chamou a atenção sobre a evolução de uma característica fundamental da República, a sua distância de todas as religiões, sancionada pela lei do dia 9 de dezembro de 1905, já inadequada à nova realidade: "A França redescobriu recentemente as suas raízes cristãs e, se essa ideia prevalecer sobre o respeito a uma lei nascida em contraposição aos pertencimentos religiosos, corre-se o risco de cair na discriminação", adverte Philippe Portier, diretor do Grupo Sociedade, Religião e Laicidade do Centro Nacional de Pesquisa Científica.

A reportagem é de Elisabetta Rosaspina, publicada no jornal Corriere della Sera, 20-08-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Existe uma laicidade "à francesa" diferente da praticada pelos países anglo-saxões?

A laicidade francesa se baseia na lei de 1905, que separa o Estado da Igreja, introduzindo dois elementos: a neutralidade do Estado em relação a qualquer expressão religiosa, pois a República não reconhece nenhum culto. Portanto, os funcionários públicos não podem exibir nenhum distintivo religiosa no exercício das suas funções. Isso nos diferenciou de países como Grã-Bretanha ou Canadá. O segundo elemento reside na liberdade de culto e de consciência que a República reconhece a qualquer um, até mesmo aos funcionários públicos, contanto que fora do seu ofício. Enquanto aos cidadãos privados a lei permitia usar o véu ou portar uma cruz ou uma barba islâmica por toda a parte.

O que mudou?

A mudança diz respeito aos espaços sociais e aconteceu nos últimos 20 anos. Interveio a lei sobre a burca, que proíbe o véu integral não apenas nos escritórios públicos, mas, por toda a parte, excluindo-se as casas e as mesquitas. Espaços antigamente livres tornaram-se controlados. Antes, estavam proibidos apenas os funcionários públicos. Agora, também os estudantes que vão à aula usando cruzes, quipás ou véus. A lei El Khomri permite que as empresas privadas proíbam aos empregados sinais distintivos religiosos, se prejudicarem o bom funcionamento da atividade.

Por que isso aconteceu?

Por causa de uma crescente desconfiança em relação à multiculturalidade. Os anos 1980 e 1990, na França, foram muito liberais. Depois, foi se reforçando, muito mais do que em outros países, a tradição de unidade política e cultural. A nação tornou-se um "bloco" e não se podia mais aceitar no espaço público a diversidade de comportamentos tolerada até aquele momento.

Uma forma de intransigência?

A intransigência católica dos séculos XVIII e XIX tinha sido sucedida pela intransigência da República. Mas, quando a comunidade muçulmana tornou-se cada vez mais importante, a reação foi a de buscar uma coesão cultural, e houve uma inédita sobreposição entre os discursos sobre a laicidade e os sobre as raízes cristãs. A extrema direita tinha começado isso, mas, há cerca de 10 anos, a questão foi reproposta fortemente também na esquerda.

Medo do Islã?

Não só. Também das divisões internas. E da decadência.

Se a França receber os Jogos Olímpicos de 2024, ela vai proibir que as atletas muçulmanas participem das competições de véu e burkini?

Não, ela não vai violar as regras internacionais. Além disso, há uma ambivalência na laicidade: o Estado descobriu que precisa dos cultos religiosos para gerir a sociedade.

Leia mais:

Raízes cristãs e defesa da República contra o multiculturalismo. Entrevista com Philippe Portier

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Raízes cristãs e defesa da República contra o multiculturalismo. Entrevista com Philippe Portier - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV