Mudanças climáticas desafiam atletas e afetam resultados olímpicos

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Agosto 2016

Desde sábado, as atenções do mundo são para os atletas reunidos no Rio de Janeiro, que a cada dia se superam para conquista de uma medalha olímpica e melhorar suas marcas. Mas muitos recordes podem ser mais difíceis de serem batidos por causa das temperaturas. É o que mostra o estudo Mais Longe do PódioComo as Mudanças Climáticas Afetarão o Esporte no Brasil, divulgado ontem (8) pelo Observatório do Clima.

A reportagem é de Alana Gandra, publicada por Agência Brasil, 09-08-2016.

De acordo com o diretor de Comunicação do Observatório do Clima, Claudio Angelo, apesar de estarmos no inverno, as temperaturas no Rio ainda estão acima do ideal para alguns esportes, como a maratona.

Nos eventos-teste, feitos no ano passado no Rio, foi possível observar a influência da temperatura, em torno de 35º C, no desempenho dos atletas. Na marcha atlética, por exemplo, dos 18 competidores, 11 tiveram problemas e um desmaiou, segundo o estudo.

“O organismo humano tem uma faixa de temperatura muito estreita na qual ele funciona no seu ideal. Se você força muito acima dessa faixa ideal, você tem perda de desempenho e pode incorrer também em riscos variados à saúde”, disse.

A Federação Internacional de Futebol (Fifa), por exemplo, fixa o limite para a prática esportiva em 32° C.

Claudio Angelo lembra que na Olimpíada de Atlanta, em 1996, os jogos foram disputados em um período muito quente e uma série de recordes pode não ter sido batida em função da temperatura elevada. “Médicos e preparadores físicos com quem a gente conversou enxergam mais ou menos esse cenário se repetindo no Rio de Janeiro”.

“A gente tem que esperar para ver o que vai acontecer e como a meteorologia vai se comportar no Rio até o final da Olimpíada”, acrescentou.

A principal recomendação para evitar os efeitos da mudança climática é “cortar emissões urgentemente, não apenas o Brasil, mas o mundo inteiro”, disse o diretor do Observatório do Clima.

Para Claudio Angelo, é preciso pensar também na adoção de novas tecnologias (como na questõa dos tecidos dos uniformes), mudança de horário e de época de competições e adoção de padrões de treinamento diferentes.

Brasil

Para o diretor, os atletas no Brasil podem sofrer mais com os efeitos climáticos, por estarem em um país tropical.

De acordo com o estudo, 12 capitais poderão apresentar restrições à prática de esportes em determinados períodos do ano, no final do século, sobretudo as das regiões Norte e Centro-Oeste.

Em Manaus, por exemplo, a pesquisa prevê temperaturas extremas. “Caso o planeta siga nessa linha de elevação extrema de temperatura, não vai ter nenhuma época do ano que seja seguro praticar esportes em Manaus. Praticamente, as pessoas em Manaus vão ter que viver dentro do ar-condicionado”, disse

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças climáticas desafiam atletas e afetam resultados olímpicos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV